Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Inflação esperada pelo consumidor é a menor desde janeiro de 2015, diz FGV

Segundo o Indicador de Expectativas de Inflação dos Consumidores, mediana da inflação para os próximos 12 meses ficou em 7,9%, ante 9,1% em dezembro

Daniela Amorim, Broadcast

24 de janeiro de 2017 | 10h17

RIO - A mediana da inflação esperada pelos consumidores para os próximos 12 meses ficou em 7,9% em janeiro, ante 9,1% em dezembro, segundo o Indicador de Expectativas de Inflação dos Consumidores, divulgado há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O resultado ficou no menor patamar desde janeiro de 2015, quando estava em 7,2%. A queda de 1,2 ponto porcentual ainda foi a mais acentuada da série histórica, iniciada em setembro de 2005, ressaltou a FGV.

"O resultado de janeiro reforça a evidência empírica de que as expectativas de inflação dos consumidores são fortemente vinculadas ao índice de preços ao consumidor acumulado nos 12 meses anteriores. Colaboraram para a queda, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, apurado pelo IBGE) acumulado em 2016, que ficou abaixo do teto da meta de inflação, e a ampla divulgação pela mídia desse resultado pouco esperado, enfatizando a preocupação do governo em controlar o aumento dos preços", avaliou o economista Pedro Costa Ferreira, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV), em nota oficial.

Na passagem de dezembro de 2016 para janeiro de 2017, a proporção de consumidores prevendo inflação dentro do teto de tolerância do regime de metas de inflação (de 6,5%) aumentou em 16,5 ponto porcentual, ao passar de 16,0% para 32,5% do total.

Entre as diferentes faixas de renda familiar, a queda na expectativa de inflação foi generalizada. Os consumidores com renda superior a R$9.600,00 passaram a prever uma inflação de 6,9% para os próximos 12 meses, o menor nível desde março de 2014, quando estava em 6,8%.

O Indicador de Expectativas de Inflação dos Consumidores é obtido com base em informações coletadas no âmbito da Sondagem do Consumidor, que coleta mensalmente informações de mais de 2,1 mil brasileiros em sete das principais capitais do País. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.