Maira Vieira/Estadão
Maira Vieira/Estadão

Nos últimos 11 anos, baixa renda sofreu mais com inflação que mais ricos

De julho de 2006 a outubro de 2017, a inflação das famílias com renda de até R$ 900 por mês acumulou alta de 102%, enquanto para aquelas com renda acima de R$ 9 mil os preços subiram 86,3%; no curto prazo, situação se inverte

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2017 | 13h39

RIO – Nos últimos 11 anos, a camada mais pobre da população sofreu mais com a inflação do que os mais ricos, situação que tem se revertido nos últimos meses por conta da deflação dos alimentos. Este é o item que, junto com o aluguel, mais pesa no bolso da faixa classificada como Renda Muito Baixa pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

++Inflação da baixa renda sobre em outubro, após deflação em setembro

De julho de 2006 a outubro de 2017, a inflação dos mais pobres (renda familiar até R$ 900 por mês) acumulou alta de 102%, bem acima da observada na faixa de renda mais alta (acima de R$ 9 mil), de 86,3%, e superior à inflação oficial medida pelo IPCA no período (89,3%). Já em outubro desde ano, a inflação da Renda Muito Baixa foi de 0,47%, contra 0,40% registrado pela Renda Alta.

++Mercado eleva projeção para a inflação em 2017, aponta Focus

O objetivo do Ipea ao detalhar a alta de preços por faixa de renda, explica a técnica de planejamento e pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea, Maria Andréia Lameiras, é ajudar na formulação de políticas públicas, melhorando o conhecimento sobre o impacto da alta de preços nas diferentes parcelas da população.

++Bolsa Família terá aumento acima da inflação até março ou abril, diz ministro

"Quando você olha as cestas de consumo, você consegue ver que quanto maior é a renda da população, maior é a diversidade de bens e serviços que ela consome. Quanto mais pobre, mais concentrado acabam sendo os itens de consumo", explicou a economista.

+ ÁUDIO: Inflação, renda e consumo

As seis faixas de inflação lançadas hoje e que passarão a ser divulgadas mensalmente pelo Ipea foram divididas em rendas Muito Baixa (até R$ 900); Baixa (R$ 900 a R$ 1.350); Média-Baixa (R$ 1.350 e R$ 2.250); Média (R$ 2.250 e R$ 4.500); Média-alta (R$ 4.500 e R$ 9.000) e Alta (maior que R$ 9.000).

Apesar da comparação no longo prazo ter mostrado que a inflação dos mais pobres foi maior, em 2017, devido à redução de preços dos alimentos, houve "uma virada no jogo", segundo o diretor de estudos e políticas macroeconômicas do Ipea, José Ronaldo de Souza Júnior.

"Estamos projetando aceleração porque este ano teve uma contribuição muito expressiva da inflação de alimentos, que ficou com uma deflação por um longo período, uma deflação muito forte que não deve se repetir em 2018", disse após o lançamento dos novos índices.

O Ipea manteve para 2018 a projeção que já havia feito de uma alta de 4,2% do IPCA em 2018, ainda abaixo da meta, mas que poderá ser revista em dezembro, segundo os economistas do Ipea. "Só por não repetir essa deflação tão expressiva dos alimentos já teria aumento da média da inflação no ano que vem, mas ficará ainda abaixo da meta, sem nenhum sobressalto em relação à política monetária, que eu acredito que deva continuar a ser de baixa de juros", afirmou Souza Júnior , ressaltando que com isso os juros devem girar em torno dos 7% ao longo do ano que vem.

LEIA MAIS SOBRE INFLAÇÃO NO SITE DE ECONOMIA DO ESTADÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.