Inflação está muito alta, diz presidente do BC dos EUA

Bernanke ressalta que intenção do Federal Reserve é garantir a estabilidade dos preços no país

Danielle Chaves e Nathália Ferreira, da Agência Estado,

16 de julho de 2008 | 13h14

O presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, afirmou que a inflação nos Estados Unidos "está muito elevada" e reiterou que a intenção do Fed é atingir a estabilidade dos preços. Os comentários de Bernanke, em resposta a perguntas do deputado republicano Ron Paul (Texas), um freqüente crítico do Fed, foram feitos depois de o Departamento do Trabalho dos EUA ter divulgado, esta manhã, que os preços aos consumidores subiram 1,1% em junho ante maio, o segundo maior aumento desde 1982 e o maior desde 2005. Veja também:Inflação no varejo dos EUA é maior desde 2005Economia dos EUA ainda enfrenta várias dificuldades, diz FedÍntegra do discurso de Bernanke (em inglês)Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos Cronologia da crise financeira As grandes crises econômicas  Os preços ao consumidor subiram 5% em relação ao mesmo mês do ano passado, a maior taxa desde maio de 1991 e significativamente acima da faixa de 1,5% a 2% que as autoridades do Fed pretendem obter no longo prazo. "É muito importante para nós mantermos a estabilidade dos preços", afirmou Bernanke. O salto dos preços da energia e de matérias-primas (commodities) se deve a "fatores fora do controle do Federal Reserve", argumentou Bernanke. Bernanke também disse no Comitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados que os EUA precisam ter uma estratégia para energia e que "teria sido melhor solucionar essa questão algum tempo atrás". O presidente do Fed afirmou que uma estratégia para energia poderia até ter tido efeitos benéficos sobre os preços no curto prazo se uma preocupação menor quanto ao desequilíbrio entre oferta e demanda estivesse refletida nos preços de contratos futuros.  Recessão Bernanke afirmou que as autoridades estão "equilibrando vários riscos" à economia e alertou contra gastar muito tempo debatendo se os EUA estão tecnicamente em recessão ou não. Para o presidente do Fed, a recessão é "uma determinação técnica" sobre a qual ele "não colocaria muito peso". "Eu não sei e tenho certa confiança de que as pessoas que irão determinar isso também não sabem", afirmou Bernanke ao ser questionado sobre se os Estados Unidos estão ou não em recessão. O Escritório Nacional de Pesquisa Econômica, um grupo acadêmico, faz a determinação oficial sobre se a economia está em recessão, com base em indicadores de produção e emprego, normalmente meses após o fato. "Não é tão relevante", disse Bernanke, uma vez que as famílias norte-americanas estão claramente enfrentando "um período difícil". Ele reiterou que espera fraco crescimento econômico no segundo semestre deste ano, com o setor imobiliário sem se recuperar até o final de 2008 ou o começo de 2009. Bernanke espera taxas mais normais de expansão no próximo ano. O presidente do Fed disse ainda que, uma vez que a política monetária trabalha com atraso, o melhor que as autoridades podem fazer é estabelecer projeções e ajustar as políticas com base nelas. "Vamos responder às condições conforme elas evoluírem", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.