JUSTIN SULLIVAN/GETTY IMAGES/AFP - 04/10/2021
JUSTIN SULLIVAN/GETTY IMAGES/AFP - 04/10/2021

Inflação acelera nos EUA e chega a 5,4% em 12 meses, puxada por preços de alimentos e moradia

Índice de Preços ao Consumidor subiu acima do esperado por economistas em setembro, o que coloca mais pressão sobre o Fed, o banco central americano; no mês, a alta foi de 0,4%

New York Times,

13 de outubro de 2021 | 17h02

NOVA YORK - O Índice de Preços ao Consumidor, principal indicador de inflação nos Estados Unidos, saltou mais do que o esperado no mês de setembro, puxado por um aumento de custos dos alimentos, dos aluguéis e de móveis em razão da oferta limitada de moradias e da escassez de insumos por causa de problemas na cadeia de suprimentos. Todos esses fatores combinados ajudaram a alimentar uma inflação mais acelerada.

A alta foi de 5,4% em setembro em comparação com o mesmo mês do ano passado, número acima do esperado por economistas em uma pesquisa feita pela Bloomberg e mais rápido do que o aumento de 5,3% até agosto. Com o resultado, aumenta a pressão tanto sobre o Federal Reserve (Fed), o banco central americano, quanto sobre a Casa Branca, porque o período de inflação mais acelerada já dura muito mais do que as autoridades esperavam.

De agosto a setembro, o índice subiu 0,4%, também acima das expectativas. As altas mensais até diminuíram em relação ao ritmo vertiginoso no primeiro semestre, quando chegaram a 0,9% no meio do ano, mas permanecem acima do normal. E as pressões sobre os preços não estão diminuindo tão rapidamente quanto o governo americano ou o Fed gostariam.

A alta de setembro ocorreu porque os alimentos - especialmente carnes e ovos - ficaram mais caros para os consumidores. Os preços de habitação também aceleraram, algo que disparou o alarme entre muitos economistas. Os custos de moradia são uma parte importante da inflação geral e a pressão sobre esse segmento tende a durar algum tempo.

Em razão da persistência dos aumentos de custos, a Administração da Previdência Social (órgão equivalente ao INSS) disse nesta quarta-feira que os benefícios sociais terão aumento de 5,9% em 2022, o maior reajuste em 40 anos no país

A realidade é que nos Estados Unidos as famílias estão pagando mais pelo jantar, pelo combustível e pela moradia, o que traz um grande problema político para o governo do presidente Joe Biden e um dilema econômico para o Fed. Os eleitores podem punir os democratas nas urnas porque os ganhos salariais, embora decentes, não cobrem totalmente os custos mais elevados. E, à medida que os preços sobem em áreas-chave como aluguel, aumentam as chances de que a alta de preços dure algum tempo.

A inflação saltou no início de 2021, à medida que os preços de passagens aéreas, refeições em restaurantes e vestuário se recuperaram após uma queda, devido ao bloqueio da economia durante o auge da pandemia. Isso era esperado. Mas, mais recentemente, os preços continuaram subindo, já que a escassez de insumos faz com que as empresas não consigam acompanhar o rápido crescimento da demanda. Fechamentos de fábricas, rotas de navios congestionadas, a escassez de mão de obra nos portos e filas de caminhões tornaram as mercadorias difíceis de produzir e transportar.

Espiral ascendente

Os entraves não mostram sinais óbvios de redução e, embora os diretores do Fed ainda pensem que a inflação vai diminuir, eles estão cada vez mais preocupados que as interrupções no fornecimento possam durar o tempo suficiente para levar os consumidores e as empresas a esperar preços mais altos. Se as pessoas acreditam que seu custo de vida vai custar mais, elas podem exigir uma remuneração mais alta - e à medida que os empregadores aumentam os salários, podem cobrar mais por seus produtos para cobrir os custos, iniciando uma espiral ascendente.

Os salários já estão subindo, embora não a ponto de compensar totalmente a inflação deste ano. Há notáveis ​​exceções, incluindo em empregos de lazer e hotelaria, onde os salários aumentaram mais rapidamente do que os preços.

O Fed visa uma inflação de 2% em média usando um índice diferente chamado de Despesas de Consumo Pessoal. Esse indicador é divulgado com mais atraso, mas também saltou neste ano.

Os diretores do Fed disseram que estão dispostos a ignorar a alta dos preços porque se espera que os aumentos sejam transitórios, e esperam que as tendências de longo prazo que mantiveram a inflação baixa por anos venham a dominar com o tempo. Mas eles reconheceram que a alta rápida de preços durou mais tempo do que esperavam e expressaram cautela.

“Acredito, como a maioria dos meus colegas, que os riscos para a inflação são de alta e continuo atento e atento às tendências de inflação subjacentes”, disse Richard Clarida, vice-presidente do Fed, em discurso na terça-feira.

As autoridades do Fed já estão planejando reduzir em breve seus US$ 120 bilhões em compras mensais de títulos, um primeiro passo para se livrar das políticas de estímulo para enfrentar a crise. A ferramenta mais tradicional do Fed, a taxa de fundos federais (a taxa básica de juros), permanece definida como quase zero e deve permanecer assim por algum tempo.

O fato de o Fed estar prestes a diminuir as medidas de estímulo pode significar que ele será mais ágil se tiver de aumentar as taxas de juros para controlar a inflação no próximo ano.

O Fed já sinalizou que usaria suas ferramentas para controlar a inflação se ela se mostrasse persistente, mas eles preferem deixar os custos dos empréstimos em níveis baixos até que o mercado de trabalho esteja mais completamente recuperado. Essas metas potencialmente conflitantes podem definir o cenário para um 2022 tenso. Alguns diretores podem começar a pressionar para aumentar as taxas mais cedo, graças ao aumento dos preços. 

“Já estamos vendo as autoridades começando a argumentar sobre o aumento dos juros”, disse Matthew Luzzetti, economista-chefe do Deutsche Bank para os Estados Unidos. “É principalmente uma questão da inflação e das expectativas de inflação.”

Wall Street está observando atentamente todos os novos dados de inflação, porque as taxas mais altas do Fed podem prejudicar o crescimento da economia e os preços das ações. Além disso, os custos crescentes podem reduzir os lucros corporativos, prejudicando as perspectivas de ganhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.