Inflação foi menor em faixa de renda superior, segundo Dieese

A inflação apurada na cidade de São Paulo em setembro, pelo Índice do Custo de Vida (ICV) do Dieese, mostra, quando considera os estratos de renda, que a taxa foi menor para as famílias com maior poder aquisitivo, com renda média de R$ 2,792,90. Estas famílias pertencem ao estrato 3, segundo denominação do Dieese, e a taxa de inflação apurada para elas foi de 0,92%.Para as famílias com menor poder de compra, dos estratos 1 e 2, com rendas médias de R$ 377,49 e R$ 934,17, a inflação foi de 1% e 1,01%, respectivamente. A explicação para estas diferenças reside na elevação dos preços dos alimentos, que foram pressionados pela alta do dólar no mês passado. O aumento dos alimentos (2,11%) respondeu por 0,71 ponto porcentual de toda a taxa de inflação de 1% apurada pelo Dieese para as famílias mais pobres, do estrato 1. Para as famílias mais ricas, no entanto, a contribuição dos alimentos na taxa de inflação foi de 0,34 ponto porcentual. No estrato 2, o efeito sobre o índice teve origem tanto no aumento ocorrido na Alimentação como no verificado na Saúde, resultando em uma contribuição de 0,84 ponto porcentual na taxa de setembro, de 1,01% para o estrato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.