Inflação mais forte
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Inflação mais forte

Ainda que a inflação desacelere nos próximos meses, o Banco Central precisará adotar uma postura mais firme porque será difícil reduzi-la em 12 meses para menos de 6%

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2021 | 19h03

Não é só o avanço do PIB que vem surpreendendo. Surpreendeu, também, desta vez negativamente, a inflação de maio, que foi de 0,83%, depois do 0,31% de abril, acima das estimativas correntes, que eram de 0,65% a 0,76%.

Com isso, a inflação acumulada no ano ficou em 3,22% e, em 12 meses, em 8,06%. A meta deste ano para a qual o Banco Central deve calibrar os juros básicos (Selic) é de inflação de 3,75%. Como o intervalo de tolerância dessa meta é de 1,5 ponto porcentual tanto para cima como para baixo, o limite superior é 5,25%, que vai sendo amplamente estourado pela inflação em 12 meses e pelas projeções do mercado.

Ainda que, nos próximos meses, a inflação mensal tenda a ser bem mais baixa, será difícil reduzi-la em 12 meses para menos de 6,0%, especialmente agora que se agrava a crise hídrica e que a disparada dos preços no atacado tende a ser repassada para o varejo (custo de vida).

Um dos pontos de maior preocupação é a grande disseminação da inflação. O índice de difusão ainda é alto, embora tenha caído de 66% em abril para 64% em maio. Isso significa que 64% dos itens que compõem a cesta de consumo apresentaram alta no mês. A difusão de itens alimentícios reduziu de 67% em abril para 60% em maio, porém a dos outros itens subiu de 64% para 68%.

O Banco Central tem e não tem razão nos seus diagnósticos. Tem razão quando afirma que a causa central dessa alta é o choque de custos e não o aumento da demanda por mercadorias e serviços.

De fato, não tem sentido afirmar que esse aumento de preços é consequência de maior demanda quando a renda está comprimida, há 14,8 milhões de desempregados e 6 milhões que nem mais procuram emprego porque estão entregues ao desalento e, portanto, não estão nas estatísticas. As Contas Nacionais (números do Produto Interno Bruto (PIB) já haviam mostrado que, no primeiro trimestre deste ano, o consumo das famílias sobre o trimestre anterior caiu 0,1% e o do governo 0,8%. Portanto, não pressionou a demanda.

Essa distinção entre inflação de demanda e inflação de custos não é apenas uma tecnicalidade. É que a inflação de custos – a que é provocada pela disparada internacional das commodities e dos produtos eletrônicos – não pode ser combatida com redução de moeda na economia (alta dos juros), recurso que freia o consumo. Exige espera para que o tempo faça boa parte do serviço.

Mas o Banco Central não tem razão quando dá pouca importância, como deu até agora, ao impacto desse choque de oferta sobre o resto da economia, como mostra a forte disseminação da alta.

Por isso, também, o Banco Central está atrasado nas projeções da inflação para este ano. Como se lê no comunicado da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), passou a trabalhar com uma inflação de 5,10% para todo este ano. Ou seja, o Banco Central não vem conseguindo ancorar as expectativas dos fazedores de preços, que consideram sua política mole demais.

Para o dia 16 está agendada nova reunião do Copom para revisão dos juros. Uma alta de 0,75 ponto porcentual, para 4,25% ao ano, são favas contadas porque o Banco Central já avançou essa decisão. Falta saber se virá acompanhada ou não de mais firmeza, quando a própria política eleitoral espera mais dinheiro rolando no mercado.

A inflação mais alta não produz apenas erosão do poder aquisitivo do consumidor e das aplicações financeiras em renda fixa. Também produz efeitos colaterais macroeconômicos que podem ser considerados positivos.

O mais importante deles acontece na área fiscal. Como o imposto é cobrado sobre os preços, quando estes estão em alta, tendem a aumentar a arrecadação e, assim, reduzir o rombo. Uma das consequências é certa redução da dívida pública, que é beneficiada, também, pelo forte avanço do PIB. A mais prazo, é um efeito positivo ilusório, porque nos exercícios seguintes, as despesas públicas também aumentarão pelo simples efeito inflacionário e o rombo seguirá do mesmo jeito ou até pode aumentar.

Nesta quinta-feira sai a inflação dos Estados Unidos, o CPI (Índice de Preços ao Consumidor, na sigla em inglês). Se for confirmada também uma inflação mais alta do que o 0,40% esperado, o mercado financeiro pode sofrer certo impacto, porque, nesse caso, o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) tenderá a optar por aumentar os juros mais cedo do que pretende e esse tratamento levará todo o mercado global a se defender.

CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.