Inflação medida pelo IGP-10 fica em 0,23% em outubro

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços 10 (IGP-10) ficou em 0,23% em outubro, segundo informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Em setembro, o IGP-10 ficou em 1,25%. O resultado ficou perto do piso das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (entre 0,10% e 0,68%) e abaixo da média das expectativas (0,56%). A FGV divulgou ainda os desempenhos dos três indicadores que compõem o IGP-10. O Índice de Preços por Atacado (IPA-10) ficou em 0,25% ante os 1,60% apurados em setembro. Ainda no atacado, a fundação informa que os preços dos produtos agrícolas tiveram deflação de 1,16%, ante aumento de 0,22% observado em setembro; já os preços dos produtos industriais tiveram aumento de 0,75% em relação à alta de 2,10% registrada em setembro.No varejo, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-10) apresentou queda de 0,02%, ante taxa positiva de 0,49% observada em setembro. Já o Índice Nacional do Custo da Construção (INCC-10) ficou em 0,82%, ante aumento de 0,74% verificado em setembro. No ano, a inflação medida pelo IGP-10 acumula alta de 10,64%. Em 12 meses, o indicador tem elevação de 11,79%. A coleta de preços para a formação do IGP-10 de outubro vai do dia 11 de setembro a 10 de outubro. (Alessandra Saraiva)AtacadoNo atacado, os preços dos bens de consumo recuaram, no âmbito do Índice Geral de Preços 10 (IGP-10) de outubro, e apresentaram deflação de 0,82% no mês, ante aumento de 1,05% apurado em setembro. De acordo com a FGV, os bens de produção também apresentaram recuo de preços no atacado, passando alta de 1,88% em setembro para taxa positiva de apenas 0,78% em outubro. A FGV informou ainda que, por produtos, as altas mais expressivas de preços no atacado, no IGP-10 de outubro, foram apuradas em café em coco (8,75%); aves ( 3,43%); suínos (5,53%); e feijão (10,13%). Já as mais significativas quedas de preço foram observadas em ovos (-13,10%); soja (-5,10%); bovinos (-2,01%); e óleos combustíveis (-3,40%).VarejoNo varejo, a queda mais intensa de preços, no âmbito do IGP-10 de outubro, foi registrada no grupo Alimentação, que passou de alta de 0,76% para queda de 1,19% de setembro para outubro. Segundo a fundação, dos sete grupos que compõem a formação do indicador de varejo, apenas dois apresentaram recuo de preços, de setembro para outubro. Além do já citado Alimentação, é o caso de Transportes (de alta de 1,04% para queda de 0,10%). Os outros grupos apresentaram aceleração de preços e até estabilidade no período. Os que apresentaram aceleração de preços de setembro para outubro são Habitação (de 0,30% para 0,60%); Vestuário (de 0,72% para 1,12%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,14% para 0,40%); e Despesas Diversas (de queda de 0,25% para alta de 0,25%). O grupo a apresentar estabilidade de preços foi o de Educação, Leitura e Recreação (permanecendo em 0,25% no período). Por produtos, as altas mais expressivas no varejo, no âmbito do IGP-10 de outubro, foram apuradas em tarifa de telefone residencial, assinatura e pulsos (1,59%); limão (45,14%); açúcar refinado (11,14%); e taxa de água e esgoto residencial (1,84%). Já as quedas de preço mais significativas foram apuradas em cebola (-30,36%); tomate (-18,19%); batata inglesa (-12,07%) e leite tipo longa vida (-2,99%).Construção CivilPor sua vez, no âmbito do INCC-10, indicador que abrange o setor da Construção Civil, houve aumento de preços no segmento de materiais e serviços (de 1,41% para 1,54%); mas não houve variação de preços no segmento de mão-de-obra, cuja taxa permaneceu em 0% de setembro para outubro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.