Inflação medida pelo IGP-10 fica em 0,44% no mês

Até novembro, o índice acumula altas de 5,14% no ano e de 6,48% em 12 meses

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

18 de novembro de 2011 | 08h15

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) desacelerou de outubro para novembro. Neste mês, o indicador subiu 0,44% ante 0,64% em outubro, segundo informou hoje a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou dentro das previsões dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (de 0,30% para 0,52%), mas acima da mediana das expectativas (0,42%)

No caso dos três indicadores componentes do IGP-10, o Índice de Preços ao Produtor Amplo - 10 (IPA-10) subiu 0,48% após avançar 0,81% em outubro. Por sua vez, o Índice de Preços ao Consumidor - 10 (IPC-10) apresentou alta de 0,31% em novembro, em comparação com o aumento de 0,37% no mês passado. Já o Índice Nacional de Custos da Construção - 10 (INCC-10) avançou 0,39% em novembro, contra aumento de 0,16% em outubro.

Até novembro, o índice acumula altas de 5,14% no ano e de 6,48% em 12 meses. O período de coleta de preços para o IGP-10 desse mês foi do dia 11 de outubro a 10 de novembro.

A inflação agropecuária perdeu força no setor atacadista. Os preços dos produtos agropecuários no atacado subiram apenas 0,18% este mês, menos da metade do aumento de 0,76% em outubro. A inflação do setor industrial atacadista seguiu mesma trajetória e desacelerou, de 0,82% para 0,59% de outubro para novembro.

Ao detalhar a movimentação de preços por estágios da produção, a FGV informou que os preços dos bens finais tiveram alta de 0,46% este mês após cair 0,23% em outubro.  Já os preços dos bens intermediários no atacado subiram 0,46% em novembro, após inflação de 0,91% em outubro. Por fim, os preços das matérias-primas brutas no atacado mostraram alta de 0,55% em novembro, após subir 1,86% em outubro. 

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIGP-10novembro 2011

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.