Inflação medida pelo IPC-S fica em 0,31% até 12/11

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) ficou em 0,31% na semana encerrada em 12 de novembro, taxa idêntica ao registrado na divulgação anterior, referente ao IPC-S de até 8 de novembro. A informação foi divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou dentro das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pela Agência Estado (entre 0,33% a 0,40%), sendo que a media das expectativas era de 0,39%. De acordo com a FGV, houve acelerações expressivas de preços, do IPC-S de até 8 de novembro para o de 12 de novembro, nos grupos Transportes (de 1,39% para 1,60%) e Habitação (de 0,41% para 0,47%), mas que foram "quase integralmente compensados" pelo recuo de preços, no mesmo período, no grupo Alimentação (de queda de 0,38% para deflação mais intensa, de 0,52%). Segundo comunicado da FGV, "a queda nos preços dos alimentos tomou novo fôlego nesta apuração. Produtos que já vinham registrando quedas menores nas últimas semanas voltaram a apresentar reduções mais fortes. A taxa de variação do item Hortaliças e Legumes, por exemplo, passou de 7,23% para 8,28%", informou. Além de Transportes e Habitação, houve acelerações de preços nos grupos Educação, Leitura e Recreação (de 0,25% para 0,27%) e Despesas Diversas (de 0,50% para 0,51%). Os outros três grupos que compõem o indicador apresentaram recuo de preços no período, como Vestuário (de 0,97% para 0,82%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,31% para 0,28%) e o já citado Alimentação. Por produtos, as altas mais expressivas de preço foram apuradas em gasolina (3,46%) tarifa de telefone residencial (1,63%) e álcool combustível (8,64%). Já as mais expressivas quedas foram apuradas em tomate (-23,74%); cebola (-22,42%) e batata inglesa (-8,06%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.