Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Inflação medida pelo IPCA-15 fica em 0,51% em janeiro

A inflação medida pelo Índice de Preços do Consumidor Ampliado - 15 (IPCA-15) subiu para 0,51% em janeiro. A aceleração, divulgada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), corresponde a 0,13 ponto porcentual em comparação ao mês de dezembro, que apresentou variação de 0,38%. A taxa ficou dentro das estimativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado (0,40% a 0,60%) e um pouco acima da mediana das estimativas (0,50%). IPCA-15 DE JANEIRO A JANEIROMêsVariaçãoJaneiro 20050,68%Fevereiro0,74%Março0,35%Abril0,74%Maio0,83%Junho0,12%Julho0,11%Agosto0,28%Setembro0,16%Outubro0,56%Novembro0,78%Dezembro0,38%Janeiro 20060,51%O álcool foi o item de maior impacto individual no índice do mês (0,10 ponto percentual), passando de uma alta 1,09%, em dezembro, para 9,22%, em janeiro, "como conseqüência do repasse da alta nas distribuidoras". O álcool exerceu pressão também sobre a gasolina, cuja variação passou de 0,04% em dezembro para 0,59% em janeiro. Além disso, os alimentos prosseguiram em alta (com 0,40% em dezembro e 0,41% em janeiro) e também pressionaram a taxa do mês. Ainda como influências de alta, destacam-se as tarifas dos ônibus, que também ficaram mais caras (0,68%) e tiveram forte influência em janeiro, por causa de reajustes em Belo Horizonte e Brasília. PRINCIPAIS PRESSÕES SOBRE O IPCA-15 EM JANEIROItemRepresentatividadeÁlcool9,22%Gasolina0,59%Ônibus urbanos0,68%Plano de saúde1,89%Empregados domésticos1,15%Produtos alimentícios0,41%Arroz3,51%Feijão preto9,22%Batata inglesa33,23%Planos de SaúdeDe acordo com o documento de divulgação do IBGE, o IPCA-15 de janeiro absorveu, também, no que se refere aos planos de saúde, a diferença entre o reajuste que vinha sendo praticado e aquele autorizado pela Justiça. Este aspecto envolvia os contratos antigos (anteriores a 1999) de determinadas operadoras em algumas regiões. Com isso, a variação do item plano de saúde, que mensalmente girava em torno de 1%, ficou em 1,89%. "A partir de fevereiro, então, uma vez absorvido o reajuste autorizado, esse item voltará aos níveis dos últimos meses", diz o documento. AlimentosNo grupo dos alimentos, apesar da alta média, houve desaceleração de preços das carnes (de 0,30% para - 1,31%), frango (de 0,58% para - 2,82%) e outros produtos, como os in natura "que da expressiva alta sazonal de dezembro passaram para resultados bem mais baixos": tomate (de 37,44% para - 16,25%) e cebola (de 15,10% para - 10,24%). Mas registraram alta produtos importantes como o arroz (de 0,63% para 3,51%) e o feijão preto (de 4,08% para 9,22%), "refletindo menor oferta".

Agencia Estado,

27 de janeiro de 2006 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.