Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Inflação menor ajuda confiança do consumidor em agosto

Índice da FGV aumenta 6,2% entre julho e agosto, com melhora da avaliação sobre as situações atual e futura

Reuters,

25 de agosto de 2008 | 08h20

A desaceleração da inflação em agosto levou ao aumento da confiança do consumidor brasileiro, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) divulgados nesta segunda-feira, 25. O Índice de Confiança do Consumidor  (ICC) registrou um aumento de 6,2% entre julho e agosto, recuperando parte das perdas ocorridas nos últimos meses.  Veja também:Íntegra da pesquisa da FGV   Entenda os principais índices de inflação Alimentos têm maior queda desde julho de 2006  Inflação reduz o ritmo, e mercado é surpreendido O coordenador do Núcleo de Pesquisas e Análises Econômicas da FGV, Aloísio Campelo, explicou que as desacelerações de preços mensuradas pelos índices inflacionários em agosto conduziram a uma melhora na avaliação da situação da economia local, quesito que foi determinante para a taxa positiva do ICC no mês. "Tanto as avaliações sobre a situação atual quanto as expectativas em relação aos próximos meses tornaram-se mais favoráveis", afirmou a FGV em comunicado. O índice que apura a situação atual subiu 9,3%, enquanto o índice de expectativas avançou 4,6%. Segundo a FGV, entre julho e agosto, a parcela dos que avaliam a situação econômica local como boa elevou-se de 12,0% para 13,8% do total. A proporção dos que a avaliam como ruim diminuiu de 51,0% para 40,6%. "Não é um consumidor superotimista que temos em agosto, mas bem menos pessimista do que o registrado no mês passado", completou Campelo, lembrando que o índice estava com queda de 3,9% em julho. "O ICC estava em uma fase de deterioração, em meses anteriores", afirmou. Na comparação com agosto do ano passado, porém, o ICC ainda registrou queda esse mês, com taxa negativa de 1%. Mas esse resultado foi melhor se comparado à queda de 5,8% apurada em julho na mesma base de comparação, "interrompendo uma seqüência de quatro meses de deterioração", informou a FGV, em comunicado. Ainda segundo a fundação, na comparação com agosto do ano passado, os dois índices componentes do ICC apresentaram alta de 0,9% para o indicador de situação atual; e queda de 1,9% para o de expectativas. Ao detalhar dados sobre as respostas relacionadas ao futuro, a fundação informou que houve melhora nas expectativas com relação aos próximos seis meses. A parcela dos entrevistados que esperam melhora aumentou de 21,6% para 26,6%, de julho para agosto. A dos que esperam piora reduziu-se de 21,0% para 13,8%, no mesmo período. Em agosto do ano passado, as mesmas parcelas estavam em 26,6% e 9,3%, respectivamente.  A sondagem de expectativas do consumidor é realizada pela FGV com base numa amostra de mais de 2 mil residências em sete das principais capitais brasileiras. A pesquisa foi feita entre 1 e 20 de agosto.  (com Alessandra Saraiva, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
ConfiançaconsumidorinflaçãoFGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.