coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Inflação na boca do povo

Piadas e protestos trazem tema da inflação de volta para as conversas dos brasileiros

YOLANDA FORDELONE, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2013 | 02h11

O tema inflação deixou definitivamente de ser um assunto só de analistas econômicos e colunistas de jornal e voltou a fazer parte das discussões do dia a dia dos brasileiros. O preço do tomate, o vilão da vez - posto já ocupado pelo chuchu no passado -, subiu 122,13% em 12 meses.

Com bom humor, nas redes sociais, as piadas remetiam a joias de tomate, prêmios da Mega Sena pagos pelo produto e até um caqui preso por se passar por um tomate. Na TV, a apresentadora Ana Maria Braga, da TV Globo, usou ontem durante o seu programa Mais Você um colar de tomate e para satirizar afirmou que estava "usando uma joia".

"A agricultura teve uma quebra de safra norte-americana no segundo semestre de 2012 e obviamente isso ia ser transmitido para o preço. Atualmente, os preços em geral subiram e o tomate virou a 'vedete' para representar a indignação", diz o economista da LCA, Étore Sanchez.

Percepção. Os economistas dizem que o problema não é o tomate em si, cujo peso no IPCA é de apenas 0,33%. A questão é que a alimentação, cujo peso é de 24,5% no IPCA, é rapidamente percebida pelos consumidores. "Virou piada. Há dois anos já sentimos uma elevação nos preços e agora em março chegou ao ápice, batendo o teto da meta do governo, de 6,5%", diz o professor da FGV, Samy Dama.

Dentro dos alimentos, o tomate foi o item que mais subiu no ano (60,9%) e o segundo na comparação de 12 meses (122,13%).

Antes do Plano Real, o País conviveu com taxas de inflação muito mais elevadas e o tema era comum nas rodas de conversas. Em 1994, por exemplo, o IPCA avançou 916%. Um dos motivos para a inflação estar agora sendo sensivelmente percebida pelo consumidor é que antigamente os reajustes salariais tinham periodicidade menor, chegou a existir até o gatilho salarial. "O consumidor não tem ao longo do ano a recomposição do salário e percebe assim que o seu poder de compra está sendo corroído", diz Samy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.