Inflação no Uruguai dispara e já é a mais alta em dez anos

O Uruguai, que enfrenta a pior crise econômica e financeira de sua história, com previsões catastróficas de queda de 11% do Produto Interno Bruto (PIB) para este ano, mostrou em agosto uma disparada no Índice de Preços ao Consumidor (IPC). De acordo com dados do Instituto de Estatísticas (INE, o IBG uruguaio), o custo de vida em agosto subiu 5,8%, a maior taxa de inflação mensal registrada nos últimos dez anos. No mesmo mês do ano passado, o índice de custo de vida não havia superado os 0,28%.Com isso, a inflação acumulada até agosto já é de 18,96%, significativamente acima dos 2,61% registrados no mesmo período de 2001. O INE informa que a alta dos preços no mês passado foi provocada pelos fortes reajustes realizados em itens de maior peso no IPC, como transportes e telecomunicações, que mostraram aumentos de 8,17%. Entretanto, preços de alguns produtos de primeira necessidade, como óleo e azeites subiram 18%; gás, 19,93%; alimentos e bebidas, 6,97%; e carne 14%.Os maiores ajustes de preços, ainda segundo o INE, acabaram ocorrendo a partir do dia 20 de junho, quando o Uruguai decidiu abandonar o sistema de bandas cambiais para adotar a livre flutuação do peso. Desde então, a moeda uruguaia já perdeu 40% de seu valor. Nos últimos 12 meses, terminados em agosto, a inflação no Uruguai chegou a 20,9%, ante apenas 3,97% em igual período anterior. O governo acredita que a inflação, estimada anteriormente para subir 12% por causa da desvalorização do peso, deverá disparar para 40%. No ano passado, depois de a economia ter encolheu 3,1%, o custo de vida havia subido 3,59%.O INE informa também que os produtos importados, que caíram em volume e aumentaram em preço, também influenciaram na alta generalizada dos preços. Com o encolhimento da economia uruguaia, que só no primeiro trimestre foi de 10,1%, as importações em julho despencaram 40,1%, em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com o Banco Central do Uruguai (BCU), a forte retração na compra de bens do Exterior se deve não apenas à queda da atividade econômica e do consumo interno, mas também à desvalorização da moeda, que passou de 14 pesos por dólar, no início do ano, para 30 pesos atualmente.Ainda segundo dados oficiais do BCU, as importações em julho somaram US$ 147,93 milhões. No acumulado até nos sete primeiros meses do ano, último dado oficial do BCU, as compras no Exterior atingiram US$ 1,27 bilhão, ou 30,3% menos do que no mesmo período do ano passado. As importações uruguaias dos países do Mercosul (Brasil, Argentina e Paraguai) no mês passado mostram uma queda de 44,11% e dos países do Nafta (Acordo de Livre Comércio das Américas, sigla em inglês) despencaram 45,14%.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2002 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.