Inflação no varejo de SP foi de 0,99% em setembro

O custo de vida do paulistano subiu em média 0,99% em setembro, segundo apurou o Índice de Preços ao Consumidor para a Cidade de São Paulo (IPC-S), calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Esta taxa é significativamente superior à variação de 0,05% nos preços do varejo no mês de agosto. De acordo com os técnicos da Ibre, a alta do IPC-S em setembro foi influenciada em grande parte pela entressafra agrícola e pelos reajustes dos preços administrados. Para se ter idéia da dimensão dos impactos destes preços na composição do índice, afirmam o economistas da FGV, só as tarifas e o grupo Alimentação responderam por 0,64 ponto porcentual para o IPC-S. Ou seja, quase dois terços da inflação de 0,99% são de alimentos e tarifas.Inflação por gruposO grupo Alimentação, que exerce um peso de 28,16% do IPC-S, subiu 1,24% em setembro depois de ter fechado agosto com uma deflação de 0,54%. O grupo Habitação, outro grande grupo do IPC-S, com peso de 30,17%, registrou uma alta de 1,21% contra uma variação de 0,46% no mês anterior. O grupo Vestuário saiu de uma deflação de 1,09% em agosto para uma alta de 0,99% no fechamento de setembro. Saúde e Cuidados Pessoais reduziu seu ritmo de alta, de 0,65% para 0,54%. No caso da Educação, Leitura e Recreação, o mês de setembro fechou com uma queda de 0,14% ante uma alta de 0,16% no mês anterior. Os gastos com transportes na cidade de São Paulo se elevaram de uma deflação de 0,12% em agosto para 0,85% no mês passado. Finalmente, o grupo Despesas Diversas se elev ou de uma variação de 1,33% em agosto para 2,09%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.