Inflação no varejo em SP sobe para 1,02%

O Índice de Preços no Varejo (IPV) voltou a subir na segunda quadrissemana (período de quatro semanas finalizado na segunda de agosto) deste mês, para 1,02%. Este é o maior porcentual do índice calculado pela Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) desde a segunda quadrissemana de julho (1,12%). Na primeira quadrissemana deste mês, o IPV ficou em 0,90%, ante 0,86% do fechamento de julho. No ano, o índice acumula alta de 6,80% e, em 12 meses, de 9,18%.Materiais de Construção foi o grupo que mais subiu na segunda quadrissemana de agosto, apresentando uma alta de 3,99%. No acumulado do ano, este setor é o que registrou maior variação também, de 15,92%, e, em 12 meses, de 19,15%.Na outra ponta, o grupo Semiduráveis colaborou com o IPV do período, com deflação de 0,35%. A queda só não foi maior porque o segmento Calçados subiu 5,01% na segunda quadrissemana e Tecidos (0,53%) ficou praticamente estável. Já Vestuário caiu 2,13%, ainda em função das liquidações de inverno.Duráveis e Não-DuráveisO grupo Não-Duráveis apresentou avanço de 1,08%, com a contribuição de produtos alimentícios (1,47%) e produtos de limpeza doméstica (0,71%) contrabalançados por produtos farmacêuticos (-0,02%) e produtos de higiene (-5,25%).Os componentes do grupo Duráveis (1,47%) também apresentaram direções opostas: enquanto os preços dos Eletrodomésticos subiram em média 2,11%, Móveis Decorações cederam 0,53%. No Comércio Automotivo (2,23%), a alta foi mais influenciada pelo crescimento dos preços dos Veículos Novos (2,67%), já que as Autopeças tiveram deflação de 0,99%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.