Inflação nos EUA alivia o mercado financeiro; petróleo sobe

A divulgação do índice de preços ao consumidor norte-americano (0,2% em abril abaixo da previsão de 0,3%) deixou o mercado financeiro mais tranquilo nesta sexta-feira, com a sensação de que não haverá aperto monetário abrupto nos Estados Unidos. A bolsa paulista passou o dia em alta e fechou 1,14%, com volume de R$ 1,025 bilhão, em 18.611 pontos. Em Wall Street, o Dow Jones subiu 0,02% e a Nasdaq caiu 1,13%.O dólar comercial operou em baixa o dia todo e fechou com perda de 1,34%, a R$ 3,092. Entre os papéis brasileiros, o C-Bond fechou em alta de 1,86%, a US$ 0,891. O risco Brasil encerrou em queda de 6,95% ou 53 pontos para 710 pontos base. No mercado monetário, o anúncio do Tesouro de que ofertará títulos de vencimento mais curtos na terça-feira, deixou os investidores mais tranquilos. Na BM&F, os DIs de janeiro encerraram o dia em 16,94%, contra 17,70%.Em Nova York, os contratos futuros de petróleo continuaram a subir e atingiram novo nível recorde, com as preocupações com relação a desestabilização da oferta de petróleo e gasolina nos EUA se sobrepondo as promessas dos produtores de que eles irão cobrir a demanda. Os contratos para junho subiram 0,73% e fecharam em US$ 41,38 o barril, preço mais elevado registrado em 21 anos de operação. Em Londres, os contratos de petróleo Brent para junho avançaram 0,70%, para US$ 38,76 o barril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.