Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Inflação nos EUA tem a maior alta desde julho de 2008

Departamento do Trabalho informa que o Índice de Preços ao Consumidor subiu mais que o esperado

REUTERS

18 de março de 2009 | 09h42

Os preços ao consumidor dos Estados Unidos aumentaram em fevereiro, refletindo maiores custos de gasolina e vestuário, segundo dados do governo divulgados nesta quarta-feira que acalmam, por ora pelo menos, os temores de deflação.

 

Veja também:

Mundo deverá ter primeira recessão desde 1945, diz FMI

Auxílio-desemprego no Reino Unido é o maior desde 1997

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

especialDicionário da crise  

O Departamento do Trabalho informou que o Índice de Preços ao Consumidor (CPI na sigla em inglês) subiu 0,4% , a maior alta desde julho passado, seguindo a alta de 0,3% em janeiro.  Analistas consultados pela Reuters estimavam uma elevação de 0,3% por cento.

O núcleo do índice, que exclui alimentos e energia, aumentou 0,2% em fevereiro, a mesma variação de janeiro. A projeção do mercado era de 0,1%.  Os preços de energia aumentaram 3,3% em fevereiro, também a maior variação desde julho passado. Os da gasolina saltaram 8,3%.  Os custos de vestuário tiveram alta de 1,3% , a maior desde março de 1990.

Estoques de petróleo

Os estoques de petróleo nos EUA cresceram 2 milhões de barris na semana encerrada em 13 de março, para 353,3 milhões de barris, informou o Departamento de Energia dos EUA (DOE). Analistas esperavam aumento de 1 milhão de barris. Os estoques de gasolina aumentaram 3,2 milhões de barris, para 215,7 milhões de barris, ante expectativa de queda de 1,2 milhão de barris.

 

Déficit em conta

 

O déficit em conta corrente dos EUA caiu para US$ 132,8 bilhões no quarto trimestre do ano passado, dos US$ 181,3 bilhões registrados no terceiro trimestre, informou o Departamento de Comércio do país. O resultado correspondeu a 3,7% do PIB e ficou aquém dos US$ 137,1 bilhões esperados pelos analistas. Foi também o menor déficit desde o do quarto trimestre de 2003.

Os estrangeiros compraram, em termos líquidos, US$ 89,5 bilhões em títulos do Tesouro norte-americano no quarto trimestre e venderam US$ 3,7 bilhões em bônus corporativos e US$ 3,6 bilhões em ações. O investimento estrangeiro direto nos EUA aumentou US$ 80,6 bilhões no quarto trimestre, depois de subir US$ 57,3 bilhões no terceiro.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUACPI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.