Inflação para classe média em janeiro foi de 0,43%

A inflação de janeiro em São Paulo para as famílias da classe média foi de 0,43%, segundo o Índice do Custo de Vida da Classe Média (ICVM) calculado pela Ordem dos Economistas de São Paulo. Comparativamente a dezembro, quando o índice havia fechado em alta de 0,38%, os gastos médios destas famílias sofreram uma elevação de 0,05 ponto porcentual.Com a variação de 0,43% em janeiro, o acumulado em 12 meses, que em dezembro era de 6,15%, subiu para 6,21%, com uma elevação de 0,06 ponto porcentual, segundo os técnicos da Ordem dos Economistas. A elevação da inflação acumulada em 12 meses de dezembro para janeiro ficou ligeiramente acima da variação da taxa mensal no mesmo período, que fora de 0,05 ponto porcentual.Dentre os grupos que compõem o ICVM, a maior alta foi apresentada pelo grupo Educação, que em janeiro subiu 4,25%, pressionado pelos reajustes de 3,85% nas mensalidades de escolas de 1º e 2º grau e das faculdades, que subiram, em média, 7,04%. A segunda maior pressão dentro do ICVM veio do grupo Alimentação (0,81%). As maiores altas ficaram por conta das verduras (13,22%), frango (4,43%), pescados (4,21%), feijão (2,66%) e açúcar (2,52%).O grupo Vestuário fechou em janeiro com alta de 0,59%. De acordo com os pesquisadores da Ordem dos Economistas, as roupas masculinas tiveram seus preços aumentados em 1,34%. No mesmo período, as peças femininas subiram em média 0,69%, e as roupas infantis apresentaram deflação de 0,37%.Com alta de 13,80% em janeiro, o gás de cozinha foi o principal responsável pela alta de 0,43% apresentada pelo grupo Habitação no mês passado. Os artigos de limpeza subiram 1,24%, e os artigos de cama, mesa e banho pressionaram com alta de 0,67%. As despesas com Saúde apresentaram alta de 0,40%. Segundo os técnicos da Ordem dos Economistas, esta alta foi provocada pelos reajustes de 0,10% nos preços dos remédios e produtos farmacêuticos, dos serviços médicos (0,51%) e das consultas odontológicas (0,91%).O grupo Despesas Pessoais sofreu em janeiro uma elevação de 0,38%. Destacaram-se as altas nos preços dos serviços pessoais (1,24%) e dos artigos de beleza (1,14%). A média dos preços que compõem o grupo Transporte fechou o mês de janeiro com uma variação negativa de 1,64%. Essa deflação, contudo, decorre de efeito estatístico provocado pela redução da tarifa de ônibus no feriado comemorado em janeiro, de R$ de 1, 40 para R$ 1,00, e pela redução no preço da gasolina que, segundo ICVM, atingiu 8,05%.

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2002 | 17h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.