Inflação pelo IGP-M acelera mais que o previsto, para 0,55%

Índice acumula altas de 9,07% no ano e 11,76% em 12 meses e é usado para reajustar contratos de aluguel

Alessandra Saraiva, da Agência Estado,

09 Outubro 2008 | 08h26

A primeira prévia do IGP-M de outubro subiu 0,55%, após registrar variação nula (0,00%) em igual prévia em setembro. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 9, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O resultado ficou acima das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam um resultado entre 0,05% e 0,44%, e foi superior à mediana das expectativas (0,27%).  Veja também:Entenda os principais índices  De olho na inflação, preço por preço Inflação pelo IPCA desacelera e tem menor taxa em um anoApós deflação em agosto, IGP-M sobe 0,11% em setembro O resultado acumulado do IGP-M é muito usado como índice de reajuste nos contratos de aluguel. Até a primeira prévia de outubro, o indicador acumula elevações de 9,07% no ano e de 11,76% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da primeira prévia do IGP-M de outubro foi do dia 21 a 30 de setembro. A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem a primeira prévia do IGP-M de outubro. O IPA teve alta de 0,71% na primeira prévia desse mês, em comparação com a deflação de 0,14% na prévia anunciada em igual período no mês passado. Por sua vez, o IPC registrou taxa negativa de 0,08% na primeira prévia de outubro, resultado idêntico ao apurado na primeira prévia de setembro. Já o INCC teve alta de 0,97% na primeira prévia de outubro, ante aumento de 1,17% na primeira prévia de setembro. No varejo, das sete classes de despesa usadas para cálculo do IPC, três apresentaram elevações de preços menos intensas, e até mesmo deflações, na passagem da primeira prévia de setembro para igual prévia em outubro. É o caso de Educação, Leitura e Recreação (de 0,51% para -0,08%); Despesas Diversas (de 1,03% para 0,56%); e Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,44% para 0,10%).  Já as outras classes de despesa apresentaram queda mais fraca ou elevação expressiva de preços, como Alimentação (-1,02% para -0,87%); Vestuário (de -0,28% para 0,77%); Transportes (de 0,15% para 0,19%) e Habitação (de 0,25% para 0,27%). Na análise da movimentação de preços por produtos, as quedas mais significativas no varejo foram registradas em cebola (-23,09%); batata inglesa (-13,81%); e tomate (-15,98%). Já as mais expressivas altas de preço foram apuradas em limão (41,98%); taxa de água e esgoto residencial (1,75%) e cigarro (1,74%). Atacado Os preços dos produtos agrícolas no atacado subiram 0,25% na primeira prévia de outubro do IGP-M, após registrar queda de 2,26% em igual prévia do mesmo índice em setembro. Já os preços dos produtos industriais tiveram alta de 0,87% na primeira prévia, em comparação com o aumento de 0,65% na primeira prévia de setembro. Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços das matérias-primas brutas apresentaram taxa positiva de 1,20% na primeira prévia de outubro, ante deflação de 1,50% na primeira prévia de setembro.  Na avaliação de preços por produtos, as mais expressivas elevações de preços no atacado foram registradas em minério de ferro ( 10,06%); mandioca - aipim (23,20%); e soja em grão (2,58%). Já as mais expressivas deflações foram apuradas em leite in natura (-12,87%); ferro gusa (-12,05%); e milho em grão ( -4,21%).

Mais conteúdo sobre:
InflaçãoIGP-M

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.