Inflação pelo IPC-S acelera na 2ª prévia puxada por alimentos

Índice sobe 0,76% na semana até o dia 15; no período anterior, alta registrada foi de 0,64%

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

16 de abril de 2008 | 08h16

O Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) subiu 0,76% na semana até o dia 15, o que mostra uma aceleração da inflação em relação ao período anterior (até 7 de abril), quando o IPC-S havia registrado alta de 0,64%. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 16, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que calcula o índice. A principal influência para a alta da inflação foi a movimentação de preços em dois grupos de produtos: alimentação (de 1,21% para 1,70%) e o fim da deflação em vestuário (de queda de 0,01% para alta de 0,57%).  Veja também: Especial sobre a crise de alimentos Líderes mundiais pedem urgência contra inflação de alimentos Álcool brasileiro tem menos impacto em alimentos, diz Bird  Celso Ming explica a alta da inflação  Produção maior é saída contra inflação, diz LulaONU pede medidas urgentes contra inflação de alimentosEntenda os principais índices de inflação  Ao analisar a movimentação de preços entre os produtos, no âmbito do IPC-S de até 15 de abril, a FGV informou que as mais expressivas altas de preço continuam sendo registradas no setor de alimentação. Segundo a fundação, as elevações de preços mais significativas foram apuradas em tomate (40,98%); pão francês (6,20%); e mamão da amazônia - papaya ( 16,27%). Por sua vez, as taxas de negativas de preço mais expressivas também foram verificadas no setor de alimentos, entre os preços de feijão carioquinha (-9,43%); alcatra ( -2,32%); e contra filé ( -3,03%). Os outros cinco grupos utilizados no cálculo do IPC-S apresentaram desaceleração de preços, no mesmo período. É o caso de habitação (de 0,49% para 0,44%); saúde e cuidados pessoais (de 0,38% para 0,32%); educação, leitura e recreação (de 0,49% para 0,40%); transportes (de 0,49% para 0,39%) e despesas diversas (de 0,23% para 0,11%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.