finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inflação pelo IPCA desacelera para 0,24% em julho

Queda nas tarifas de energia e nos combustíveis leva índice a alta menor no mês

Reuters

08 de agosto de 2007 | 09h40

A inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desacelerou em julho, devido principalmente à queda da tarifa de energia elétrica e dos combustíveis.  O indicador subiu 0,24% em julho, uma leve desaceleração ante o avanço de 0,28% em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 8. O dado ficou em linha com a previsão de analistas consultados pela Reuters, de 0,23%.  Os custos da energia elétrica declinaram 3,01% em julho, sendo a principal contribuição individual negativa para o IPCA, de 0,11 ponto percentual. A queda reflete o reajuste negativo autorizado em São Paulo em julho.  Os combustíveis tiveram baixa de 0,98%. "Em razão da oferta de cana-de-açúcar no mercado, o litro do álcool combustível ficou 6,96% mais barato nas bombas, ocasionando redução de 0,51% no litro da gasolina", disse o IBGE em nota.  Por outro lado, os alimentos impediram uma desaceleração maior da inflação, com alta de 1,27%. Com isso, o grupo alimentação e bebidas contribuiu com 0,27 ponto para o IPCA do mês.  O IPCA acumulou alta de 2,32% nos primeiros sete meses do ano, contra a variação de 1,73% em igual período de 2006. Nos últimos 12 meses, a elevação é de 3,74%.  O índice é utilizado pelo governo para balizar a política de metas de inflação. A meta fixada para o ano é de 4,5%, com margem de variação de dois pontos percentuais, para cima ou para baixo.  Juros  Vladimir Caramaschi, economista-chefe da Fator Corretora, afirmou que apesar de ver como positivo o dado do IPCA, ele não deve mudar as expectativas do mercado sobre a taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 11,5% ao ano).  "Apesar de bom, o resultado do IPCA não surpreende e não altera as expectativas do mercado. E com os sinais de demanda aquecida e volatilidade no mercado externo, parece difícil (o BC) cortar 0,50 ponto em setembro", afirmou ele, prevendo uma redução de 0,25 ponto na taxa.  Em meio à aceleração da atividade, o BC deverá ser cauteloso para impedir que a baixa taxa de juros acelere a inflação para acima da meta do ano. Baixa renda O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que apura a variação de preços para famílias com rendimento de 1 a 6 salários, subiu 0,32% em julho, ante alta de 0,31% em junho.

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoIPCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.