Inflação pelo IPCA mostra estabilidade em maio, indica IBGE

Produtos alimentícios têm alta de 0,44% no IPCA de maio, ante 0,15% em abril; não alimentícios subiram 0,48%

Jacqueline Farid, da Agência Estado,

10 de junho de 2009 | 09h05

A inflação medida pela Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA), ficou em 0,47% em maio, após uma elevação de 0,48% em abril, anunciou nesta quarta-feira, 10, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice acumula alta de 2,2% no ano e 5,2% em 12 meses.

 

Os produtos alimentícios registraram alta de 0,44% no IPCA de maio, ante 0,15% em abril. A aceleração nos reajustes de preços dos alimentos foi provocada especialmente pelo leite pasteurizado, que subiu 9,77% em maio e representou a maior contribuição individual (0,10 ponto porcentual) para o IPCA do mês (0,47%). Outras altas importantes nos alimentos foram registradas nos queijos (1,39%), leite condensado (1,12%), batata inglesa (14,77%) e cenoura (5,64%).

 

Os produtos não alimentícios, por outro lado, desaceleraram o ritmo de alta de abril (0,58%) para maio (0,48%). O item cigarros, com alta de 9,21%, continuou como destaque de aumento nos não alimentícios, mas em patamar inferior ao reajuste de abril (14,71%). Os cigarros deram a segunda principal contribuição individual (0,09 pp) para o IPCA de maio.

 

Outros reajustes de destaque nos não alimentícios ocorreram nos empregados domésticos (1,35%), remédios (1,33%), vestuário (1,16%), taxa de água e esgoto (1,34%) e gás de cozinha (0,64%). A maior parte desses itens mostrou, apesar da alta, desaceleração em relação aos resultados de abril.

O IPCA é o índice oficial utilizado pelo Banco Central para cumprir o regime de metas de inflação, determinado pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). O centro da meta de inflação para 2009 foi estabelecido em 4,5%, com margem de tolerância de dois pontos porcentuais para baixo ou para cima. O BC decide hoje a nova taxa básica de juros da economia.

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPCAIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.