Inflação preocupa Mendonça de Barros

O sócio da MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, concorda que o atual patamar da inflação é motivo real de preocupação para a equipe econômica. Ele não descarta a possibilidade de um eventual aumento da taxa básica de juros até o final deste ano. Em entrevista ao Conta Corrente, da Globo News, o consultor, que foi secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, explicou que a inflação não tem um vilão específico, mesmo assim ela já se aproxima perigosamente do topo da meta acertada com o FMI. Ele lembrou que as últimas atas do Copom deixaram clara a possibilidade de uma eventual mexida nos juros ainda este ano: "Há, sim, a possibilidade concreta de ter alguma coisa na área de juros, antes do fim do ano" Meta apertada O consultor acha que não existe uma pressão inflacionária muito importante e prevê que a pressão provocada pelo petróleo e aço deve arrefecer nos próximos meses. Mesmo assim, ele avalia que com metas tão rígidas sobra pouca margem de manobra para os gestores da política econômica. O consultor diz que sobram as opções de abrir mão da meta ou de incomodar essa recuperação da economia que está ocorrendo. "Espero que os juros não sejam aumentados, mas reconheço que a pressão da inflação vem colocando um belo teste para o sistema de metas." Investimentos não devem sair já Mendonça de Barros avalia que os investimentos necessários ao aumento da produção dependem de uma série de fatores que ainda estão pendentes. "Algumas das condições necessárias estão aí", reconheceu o economista e consultor, incluindo entre elas a retomada do crescimento do PIB. Mas ele aponta problemas persistentes, como a carga tributária elevada e as dúvidas quanto às agências reguladoras. "Existem condições adicionais que têm de ser avançadas para que a gente possa retomar o investimento, particularmente da infra-estrutura."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.