Inflação recua, mas ainda há riscos

Como se esperava, em setembro a inflação vem apresentando um forte recuo em relação ao bimestre julho/agosto. A reversão do quadro, segundo boletim do Lloyds TSB, pode ser atribuída ao recuo da alta dos alimentos e ao fim dos impactos dos reajustes de tarifas (energia, combustíveis e telefone). Assim, os índices devem ficar abaixo de 0,5% no mês, estabilizando-se próximos ou ligeiramente abaixo desse patamar no último trimestre. Ainda segundo o boletim do Lloyds TSB, há riscos para esse cenário dependendo do reajuste de algumas tarifas importantes que ainda não foi concedido, com destaque para as passagens de ônibus e metrô na cidade de São Paulo. O aumento das contas de água no estado de São Paulo e a dúvida quanto a novos reajustes dos combustíveis são outros fatores importantes para o cálculo dos índices.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.