Inflação segue comportada e IPCA-15 sobe 0,23%

Enquanto alimentos registram alta menor de preços, gasolina abandona deflação e sobe 0,35% em outubro

Renato Andrade, da Reuters,

23 de novembro de 2007 | 09h19

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA15) subiu 0,23% em novembro, praticamente repetindo o avanço de outubro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira, 23.  A alta ficou levemente abaixo da mediana das projeções dos analistas consultados pela Reuters, que indicava um avanço de 0,25% para o índice em novembro, depois da alta de 0,24% registrada em outubro. Os prognósticos de 36 economistas variaram de 0,20% a 0,32% de alta.  Os alimentos apresentaram variação de 0,25%, menos da metade do resultado de outubro (0,54%), graças ao aumento mais fraco de alguns produtos importantes no orçamento familiar, como arroz, cebola e óleo de soja, informou o IBGE em comunicado.  Por outro lado, a gasolina, que tinha caído 0,32% em outubro, subiu 0,35% em novembro, reflexo do aumento dos preços do produto em Porto Alegre e Goiânia.  O IPCA-15 é tido como uma prévia do IPCA, o índice que serve de referência para a meta de inflação do governo. A metodologia de cálculo é a mesma, apurando a variação de preços para famílias com renda de até 40 salários mínimos em 11 regiões metropolitanas do País. A diferença está no período de coleta, já que o IPCA mede o mês calendário.  Nos últimos 12 meses, o indicador acumula alta de 4%. No ano, o avanço é de 3,64%.

Tudo o que sabemos sobre:
InflaçãoIPCA-15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.