Inflação segue em 3% na zona do euro; desemprego sobe a 10,2%

A inflação ao consumidor nos 17 países da zona do euro permaneceu em 3 por cento em outubro, segundo dados da agência de estatísticas Eurostat, sugerindo que o Banco Central Europeu (BCE) pode esperar até dezembro para elevar o juro básico.

REUTERS

31 de outubro de 2011 | 08h49

Economistas ouvidos pela Reuters previam recuo para 2,9 por cento, ante leitura de 3 por cento em setembro.

Muitos economistas esperam que o BCE eleve os juros em breve para dar apoio à economia da zona do euro, enquanto a crise de dívida da região reduz a confiança dos empresários e gera chances de outra recessão.

Mas a inflação acima da meta de pouco abaixo de 2 por cento torna essa decisão mais difícil para o BCE.

Economistas dizem que a alta dos preços diminuirá conforme a economia desacelera.

Em outra série de dados, a Eurostat informou que a taxa de desemprego na zona do euro subiu ligeiramente, de 10,1 por cento em agosto para 10,2 por cento em setembro. De acordo com a agência, a elevação foi induzida pela Espanha.

(Reportagem de Robin Emmott)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUROPAINFLACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.