Inflação sobe mais do que o esperado por analistas

A inflação no município de São Paulo, medida pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, subiu 0,81% na primeira quadrissemana de abril, superando as expectativas dos analistas ouvidos pela Agência Estado e da própria Fipe, que previam uma variação entre 0,50% e 0,75%. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) também subiu em relação a março, quando fechou em alta de 0,67%. A maior alta do IPC foi o grupo Saúde (+2,47% ante +1,46% em março), pressionado, como já previam alguns analistas, pelos preços dos remédios que tiveram seus preços liberados no começo do mês passado. Alimentação avançou 1,30%, acima da variação de 1,15% da pesquisa divulgada na semana passada. Vestuário subiu 1% (ante 0,73% do fechamento do mês passado) e Transportes registrou o mesmo porcentual de alta de março (+0,42%). Educação (0,27% ante 0,28% da última pesquisa) e Habitação (+0,54% ante +0,53%) ficaram praticamente estáveis. Despesas Pessoais variou de 0,15% em março para 0,28% na primeira prévia de abril. Veja as variações dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,54%; Alimentação: +1,30%;Transportes: +0,42%; Despesas Pessoais: +0,28%; Saúde: +2,47%; Vestuário: +1,00%; Educação: +0,27%; Índice Geral: +0,81%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.