finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Inflação sobe menos nos EUA

A inflação ao consumidor norte-americano mostrou crescimento menor do que se esperava e indica que o Federal Reserve pode prosseguir na alta moderada do juro. O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,1% em agosto, revertendo queda de 0,1% em julho, informou o Departamento do Trabalho. Nos primeiros oito meses do ano, o CPI subiu 3,7%, abaixo da alta de 4,1% verificada até julho.Os preços das residências, que compõem 40% do índice, subiram 0,2% em agosto, mesma variação de julho. Os preços dos alimentos avançaram 0,1% em agosto, depois de alta de 0,3% em julho. Os preços de energia caíram pelo segundo mês consecutivo, em 0,3%. Os preços da gasolina recuaram 1,4% em agosto, depois de queda de 4,2% em julho. Os preços de óleo combustível subiram 5,2%, maior alta desde janeiro.O ganho médio mensal dos trabalhadores norte-americanos, ajustado à inflação, subiu 0,3% em agosto. O número de pedidos iniciais de auxílio-desemprego subiu em um ritmo inferior ao previsto na semana passada, sugerindo que não há um enfraquecimento do mercado de trabalho. O Departamento do Trabalho informou que os pedidos iniciais cresceram 16 mil, para um total ajustado de 333 mil, na semana encerrada em 11 de setembro. O mercado de trabalho nos EUA, que se enfraqueceu no segundo trimestre, começou a melhorar novamente. As empresas abriram 144 mil postos em agosto, quase o dobro do número de julho. Pesquisas com executivos indicam que as contratações devem aumentar nos próximos meses. Os economistas prevêem que as empresas devem ampliar em 175 mil o número de vagas por mês até o final do ano.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2004 | 11h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.