Inflação sobe na primeira prévia de agosto

A inflação do município de São Paulo, medida pelo Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da USP, foi de 0,67% na primeira quadrissemana de agosto. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) foi maior do que o apurado no fechamento de julho, quando registrou alta de 0,59%, e ficou no limite máximo do intervalo previsto pelos analistas ouvidos pela Agência Estado, que apostavam uma variação entre 0,55% e 0,67%. A maior alta do período foi, mais uma vez, Saúde, que subiu 2,12%, acima do aumento de 2,03% do último mês. A segunda maior variação do período foi Transportes, que avançou 0,98%, abaixo porém, do aumento registrado na pesquisa divulgada na semana passada, que registrou alta de 1,14%. O grupo Habitação avançou 0,87%, acima do aumento de 0,54% de julho. Como previram alguns analistas, o item Alimentação registrou nova alta, subindo 0,63%, ante variação de 0,39% apurado no último mês. Despesas Pessoais teve grande variação porcentual. O grupo, que avançou 0,67% no fechamento de julho, subiu 0,10% na pesquisa divulgada esta manhã. Educação, que registrou alta de 0,17% no sétimo mês do ano, subiu 0,08% na primeira quadrissemana de agosto. Já Vestuário continua registando queda, mas houve certa desaceleração. Na primeira prévia do mês, a baixa foi de 1,46%, porcentual que foi de 1,72% na pesquisa anterior. Veja as variações dos itens que compõem o IPC: Habitação: +0,87%; Alimentação: +0,63%; Transportes: +0,98%; Despesas Pessoais: +0,10%; Saúde: +2,12%; Vestuário: -1,46%; Educação: +0,08%; Índice Geral: +0,67%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.