Inflação tem índices altos

Segundo análise dos economistas do banco Lloyds TSB, os dados da inflação divulgados na última semana continuaram surpreendendo negativamente. Acompanhe:O Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) chegou a 2,05% nas três primeiras semanas de agosto (sinalizando inflação de 2,5% no mês), e o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) foi de 1,87% na segunda quadrissemana, contra 1,63% da primeira.Alimentos e combustíveis justificam a maior parte desse movimento. É lícito esperar, porém, que a partir de setembro os preços sejam bem inferiores aos de julho/agosto, pois os impactos mais significativos das tarifas, como combustíveis e alimentos, estarão sendo superados.O ponto central da meta inflacionária para 2000, que é de 6%, será atingido se a inflação média no último quadrimestre do ano ficar entre 0,4% e 0,5%. Segundo os economistas do Lloyds TSB, essa média parece bastante razoável, mesmo considerando-se que a economia está em processo de aquecimento e isso pode pressionar a alta dos preços de alguns setores. A expectativa é a de que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) fique ao redor de 6,4% no ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.