Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Inflação vai convergir para o centro da meta de 4,5% este ano, garante Tombini

Presidente do Banco Central defende os últimos passos dados na política monetária e assegura que tem o controle das rédeas da inflação no País

Luciana Antonello Xavier, da Agência Estado,

27 de março de 2012 | 18h02

Em dois dias com investidores em Miami, nos Estados Unidos, o presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, defendeu os últimos passos dados na política monetária e assegurou que o BC tem o controle das rédeas da inflação no País. Ele garantiu ainda que a inflação vai convergir para o centro da meta de 4,5% ainda este ano, mesmo com a inflação de serviços mais salgada.

Ao final de um dos eventos do qual Tombini participou, um grupo de investidores comentava o discurso do presidente do BC brasileiro. "Tombini disse que a inflação vai ficar na meta, mas como se a inflação de serviços está explodindo?", indagou um dos investidores presentes.

Questionado sobre o tema pela Agência Estado, Tombini negou que a inflação de serviços possa ser uma pedra no caminho do BC. "Como explodindo?", perguntou ele. "A inflação mais alta é em Serviços, mas a inflação é o todo." E continuou: "Se eu falei isso (que a inflação vai convergir para o centro da meta de 4,5% este ano),é porque é isso".

A autoridade monetária rebateu ainda críticas de que o BC esteja agindo de modo diferente do seu discurso. As críticas surgiram no mercado após a divulgação da ata da última do reunião de política monetária e da decisão do Copom de cortar a Selic em 0,75 pp, para 9,75% ao ano. "Só foi possível o corte porque estamos em trajetória de convergência para a meta de inflação. Vamos convergir este ano", afirmou ele em entrevista exclusiva à enviada especial da Agência Estado a Miami, após almoço promovido pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

Tombini também reafirmou aos investidores que o Brasil vai crescer mais este ano do que em 2011, e mais no segundo semestre do que no primeiro, graças ao efeito do corte de juros iniciado no fim de agosto de 2011. Hoje, Tombini participou de outro almoço, desta vez oferecido pela Bloomberg e fechado a jornalistas de outros meios de comunicação. O presidente do BC retornará ainda hoje para Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.