Influenciadores tentam emplacar fora do eixo Rio-SP

Influenciadores tentam emplacar fora do eixo Rio-SP

Produtoras de conteúdo de fora do Sudeste miram públicos segmentados e pouco atendidos nas redes sociais para garantir um lugar ao sol

Mariana Lima, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 04h00

Minoria entre as influenciadoras famosas, as produtoras de conteúdo de fora do Sudeste miram públicos segmentados e pouco atendidos nas redes sociais para garantir um lugar ao sol. A estratégia é parecida com a da maranhense ThaynaraOG: focar em produzir conteúdo de qualidade para quem se sente pouco representado.

Nascida em Salvador, na Bahia, Jéssica Dantas, de 25 anos, decidiu criar perfis em redes sociais para dar dicas de beleza para meninas que, assim como ela, sofriam por não encontrar alguém que falasse sobre beleza sob o ponto de vista delas. “Eu queria aprender a me maquiar, mas as dicas que achava no YouTube eram dadas por youtubers do Sudeste, que não funcionam no Nordeste”, diz.

As dicas começaram a ser publicadas em 2011 no blog “Fala Dantas” e, três anos depois, ganharam versão em vídeo, no YouTube e Instagram. Hoje, a jovem acumula mais de 500 mil de seguidores na plataforma de vídeo – 40% do total formado por mulheres de Salvador.

“Tenho consciência de que meu conteúdo é visto por todo o Brasil, mas o meu foco sempre é e será nas meninas do Nordeste”, diz a youtuber.

Sem querer. A curitibana Kimberly Carvalho de Albuquerque, de 25 anos, conhecida como Kim RosaCuca, viu sua vida mudar em poucos meses. Sem perfis em redes sociais, aprendeu do zero a usar as plataformas depois que descobriu como as maquiadoras se comportavam na internet, profissão que queria seguir. “Percebi que toda maquiadora de sucesso usava o YouTube. Fiz o canal para conquistar clientes. Eu não pensava virar influenciadora e ter seguidores”, diz.

A mudança veio quando o canal começou a ter centenas de inscritos. Kimberly percebeu que teria mais chances de ganhar dinheiro produzindo vídeos. Hoje, a youtuber o foco é para adolescentes e tem uma equipe de seis pessoas para ajudar na edição, filmagem e produção dos vídeos para seus 6 mil inscritos. Os vídeos também abordam temas como dicas de decoração e de confecção de bonecas. /M.L.

Mais conteúdo sobre:
Youtube rede social youtubers

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.