Informação privilegiada é ilógica, diz advogado de Nahas

O investidor Naji Nahas, preso ontem pela Polícia Federal na Operação Satiagraha, não possuía informação privilegiada sobre o corte de até meio ponto porcentual na taxa de juros do Federal Reserve (Fed), banco central dos Estados Unidos, afirmou hoje seu advogado, Sérgio Rosenthal. Para o advogado, essa suposição é negada pela própria lógica. "Isso não procede, pois ele (Nahas) seria o único cidadão do mundo que teria acesso a uma informação nesse sentido", disse Rosental.O advogado de Nahas afirmou hoje que não existem acusações formais contra seu cliente. Rosenthal esteve hoje na sede da Polícia Federal em São Paulo, onde seu cliente está detido, e disse que espera ter acesso aos autos do processo. Segundo ele, tais informações não puderam ser analisadas hoje, por ser feriado em São Paulo, mas o advogado espera poder analisá-las amanhã pela manhã. "Esperamos ter acesso aos autos o mais rápido possível. O senhor Naji Nahas está à disposição das autoridades. A sua prisão é desnecessária, pois bastaria que ele fosse comunicado (pela Polícia Federal) que se apresentaria imediatamente", frisou.Rosenthal afirmou ainda esperar que o depoimento de Naji Nahas à Polícia Federal ocorra o mais rápido possível, para que ele possa, em seguida, ser colocado em liberdade. "Vamos aguardar que as autoridades ouçam todos os acusados. O processo deve se desenvolver pelas regras do Estado Democrático de Direito. Uma pessoa não pode ser considerada culpada antes de ser processada. O processo criminal não é uma mera formalidade, ele existe para que os cidadãos possam exercer seu direito de defesa" emendou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.