Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Informações de condomínimos já estão em tempo real

As empresas de administração de condomínio estão se adaptando aos novos tempos e colocando dados e serviços ao alcance de um clique pela internet. Por meio da tecnologia digital, os moradores podem ter acesso aos regulamentos do prédio, saldo do condomínio, atas das reuniões, despesas e emissão de segunda via de boletos. Basta digitar a senha e se conectar.?Essas informações estão disponíveis em tempo real?, diz Fernando Fornícola, diretor da administradora Habitacional, que tem esses serviços também pelo telefone celular. ?É possível fazer uma administração totalmente virtual, com acesso a tudo relacionado ao prédio.? Implantado desde 2001, o sistema abrange todos os 160 condomínios administrados pela Habitacional. ?Já faz parte do nosso dia-a-dia?, diz o diretor. Fornícola acredita que essa ferramenta virtual vai contra a cultura de que os moradores não estão interessados na administração do condomínio e afirma que o serviço é muito procurado pelos clientes ao contratar sua empresa. ?É um belo diferencial?, diz ele. Pela internet, ainda é possível que a administradora e o síndico acompanhem todas as cotações de serviços que serão realizados no condomínio. Os pedidos são então encaminhados pela própria rede para os fornecedores. Pode-se também saber quais apartamentos estão devendo as taxas condominiais.AnotaçõesNa Techsys Logística & Administração, a vida do prédio também está toda na internet, desde o controle da manutenção dos ambientes aos registros das convenções. Há cerca de cinco anos, as informações sobre os condomínios administrados por ela já estão disponíveis na rede mundial de computadores. Além de consultar as informações sobre o cotidiano do prédio, os moradores também podem deixar anotações e fazer solicitações de serviços. Os condôminos da Techsys ainda recebem uma senha para consultar os extratos das contas do edifício pelo internet banking. ?Fica muito mais transparente?, comenta o diretor de sistemas da empresa, Igor Rossine Gleb. Ele admite, entretanto, que alguns síndicos apresentaram certa resistência com a novidade. CustosEm alguns dos condomínios administrados pelo Grupo Hubert, a internet e a informática ajudam a racionalizar os custos de água. ?É uma questão de justiça social, de cada um pagar o que consome?, comenta a supervisora de meio ambiente do grupo, Nathalie Gretillat. Seguindo a tendência de que cada apartamento tenha o seu próprio aparelho de medição desse serviço, a administradora fez uma parceria com uma empresa de tecnologia para instalar em cada medidor um software que faz a leitura dos dados e transmite as informações, que ficam disponíveis via web. A administradora e o síndico automaticamente têm acesso aos dados no computador, podendo conferir o consumo do período e calcular a quantia a ser paga. Depois, podem incluir o valor no boleto da taxa de condomínio. Esse sistema funciona em 18 prédios do grupo e deve ser expandido. Nathalie diz que a economia - em torno de 15% e 35%, nos seis primeiros meses, no caso da água - não é percebida rapidamente pelo morador. ?No primeiro mês, ele não tem noção de quanto consome.? Muitos até se assustam com o valor da conta. Só então, os condôminos começam a diminuir o tempo no banho e a usar a torneira com mais consciência. Iluminação para economizarInvestir em tecnologia não é barato, mas a economia resultante da troca de uma aparelhagem antiga pode compensar. Com pouco tempo no mercado, o sistema Light Emitting Diode (LED), ou Diodo Emissor de Luz, pode representar uma economia entre 70% e 80% de energia elétrica. Porém, a iluminação com lâmpadas de LED ainda não é comum além do uso comercial. ?Obviamente, os condomínios são um nicho interessante?, comenta o designer Eduardo Vieira de Mello Lopes, que há quatro anos desenvolve produtos a partir do chip importado da empresa Lumileds, do Grupo Philips. Mas, dependendo do tipo de iluminação, o valor da instalação pode ser quase o dobro da tradicional. Embora seja um investimento alto, Lopes garante que em um ano e meio consegue-se recuperar o valor gasto. Além da diminuição do consumo de energia, os ganhos aparecem na manutenção e na durabilidade do produto. Usando-se uma média de 12 horas por dia, as lâmpadas só precisam ser trocadas em 15 anos, segundo ele. O LED não emite raios ultravioleta e não provoca calor. Essa tecnologia pode ser utilizada, na parte externa, na iluminação de jardins, ambientes subaquáticos e fachadas. Nos interiores, o designer a indica para iluminar quadros e mesa da sala de jantar, por exemplo. Aquecimento de águaFoi buscando economia que o Condomínio e Edifício Le Bougainville, em Alphaville, na Grande São Paulo, resolveu investir num sistema de aquecimento para água do banheiro e da cozinha dos 240 apartamentos. O trocador de calor, fabricado pela Heliotec, é como um aparelho de ar-condicionado funcionando no reverso: retira o calor do ambiente e o transfere para a água. O síndico, Azamor Bastos Pereira, conta que as três máquinas instaladas desde março já reduziram entre 25% e 30% o consumo de gás. O sistema de queimador de gás é utilizado apenas nos momentos de pico. Com a economia, os equipamentos (R$ 15 mil cada)já foram pagos e o objetivo agora é juntar recursos para comprar outro, só que para aquecer a piscina do prédio.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2006 | 16h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.