Infra-estrutura toma mais crédito

Quase a metade dos financiamentos do BNDES são demandados por esse setor, incluindo a construção

Irany Tereza, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2028 | 00h00

Setores importantes da indústria, como metalurgia, celulose e indústria química, continuam em fase de recesso de projetos, segundo indicam as consultas apresentadas ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em compensação, a infra-estrutura está puxando pedidos de financiamentos e deverá ser a grande responsável pelo aumento do volume de empréstimos este ano, de acordo com os números do banco.No primeiro semestre, do total de R$ 59,408 bilhões em pedidos de financiamento (em fase ainda de análise pelo banco)apresentados por 41 diferentes segmentos, quase metade (R$ 27,144 bilhões) estão concentrados em cinco subsetores de infra-estrutura, serviços e comércio, liderados pela construção, com R$ 12,509 bilhões - um crescimento de 462% em relação ao período de janeiro a junho de 2006. "Este setor vem de dois a três anos seguidos de forte crescimento devido à queda na taxa de juros, expansão e alongamento de prazo do crédito imobiliário. E é um crescimento importante, porque puxa a demanda por aço e investimentos em saneamento", comenta Fernando Puga, assessor da presidência do BNDES.Os outros segmentos de infra-estrutura, comércio e serviços que estão com taxas de crescimento de até 138% são: eletricidade e gás (R$ 6,547 bilhões), transporte terrestre (R$ 4,479 bilhões), telecomunicações (R$ 3,609 bilhões) e comércio e reparação de veículos (R$ 1,719 bilhões).No outro extremo, a indústria de papel e celulose, que esteve recentemente no topo da lista de apresentação de projetos, apresentou no primeiro semestre queda de 85% nas consultas, com um total de R$ 121,7 bilhões em pedidos, ante R$ 801,9 bilhões em igual período do ano passado. Para o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, esse setor industrial fechou um ciclo de investimentos, que agora estão sendo maturados. No cálculo geral, a indústria de transformação teve queda de desempenho de 12,4% na apresentação de pedidos ao BNDES no primeiro semestre, com R$ 20,643 bilhões, menos da metade do total de consultas.Esse setor costuma liderar a apresentação de projetos de novos empreendimentos. Alguns segmentos, como produtos de madeira e de metal, chegaram a apresentar crescimento de mais de 800%, mas em valores que não pesam no resultado geral. Já indústrias pesadas, como metalurgia e equipamentos de transporte, por exemplo, tiveram desempenho, respectivamente, de -71% e -67%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.