Infraero anúncia prejuízo de R$ 76,2 milhões em 2007

No entanto, na prática, se considerados os investimentos feitos na estatal, saldo anul foi positivo

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo,

17 de março de 2008 | 11h56

A Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) apresentou prejuízo de R$ 76,3 milhões no ano passado. O resultado operacional líquido, porém, foi um lucro de R$ 261,2 milhões. As informações foram dadas no domingo, 16, pelo diretor financeiro da empresa, Sebastião Martins Ferreira Júnior, que justificou que o prejuízo se deve ao fato que os investimentos feitos pela Infraero nos aeroportos de propriedade da União são considerados gastos. No entanto, ele observou que, em termos contábeis, vale o prejuízo, mas o lucro operacional, na prática, é positivo.   O lucro operacional, por sua vez, foi 53% maior do que em 2006. Esse crescimento ocorreu, principalmente, porque caiu a provisão de créditos de liquidação duvidosa da Varig, Transbrasil e Vasp, de R$ 278,6 milhões em 2006 para R$ 171,2 milhões em 2007. Para 2008 a empresa tem apenas R$ 20 milhões deste tipo de déficit para contabilizar e espera um lucro líquido de R$ 511,9 milhões.   Na entrevista, Ferreira Júnior informou ainda que a Infraero está estudando, em conjunto com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Secretaria de Aviação Civil, do Ministério da Defesa, e Departamento de Controle de Espaço Aéreo (Decea), do Comando da Aeronáutica, a revisão da tarifa de movimentação nos aeroportos paga pela empresas de aviação comercial para pousos, decolagens e permanência, que não é reajustada desde 1997. Até o meio do ano, a Infraero quer elevar estas tarifas, mas não estabeleceu ainda um porcentual.   No ano passado, segundo o diretor, o prejuízo da Infraero com a tarifa de movimentação aeroportuária foi de R$ 540,5 milhões (diferença entre o que recolheu com a tarifa e o que gastou na movimentação nos aeroportos).   Taxa defasada   O diretor financeiro comentou ainda que as taxas de embarque pagas pelos passageiros, maior fonte de receita da empresa, estão defasadas, mas não falou em reajuste. Explicou, no entanto, que essas taxas não estão sendo suficientes para o pagamento dos custos com o embarque. No ano passado, a empresa arrecadou com estas tarifas R$ 643,8 milhões e teve uma despesa com esta finalidade, de R$ 642,4 milhões, restando apenas R$ 1,4 milhão de lucro com este tipo de operação, o que considerou irrisório.   Para 2008, a Infraero prevê um aumento de receita de 10,8% e um aumento de despesa de 15,8% por causa de investimentos em segurança e comodidade pelos passageiros. No ano de 2007, menos da metade dos recursos previstos para investimentos foram empregados, a maior parte deles, por problemas nas obras, alguns deles, junto ao Tribunal de Contas da União (TCU). Dos R$S 1,285 bilhão previstos para serem usados como investimentos, apenas R$ 573,1 milhões foram desembolsados. Para 2008, a previsão de investimento é R$ 1,723 bilhão. Em relação à possibilidade de problemas no setor aéreo durante o feriado da Semana Santa, Ferreira Júnior disse: "A crise, o caos já ficaram no passado. No carnaval, não tivemos problema, E, agora, a expectativa é de que tudo corra bem na Semana Santa."

Tudo o que sabemos sobre:
Infraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.