seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Infraero reforça segurança no Aeroporto de Salvador

A superintendência regional da Empresa de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) reforçou a segurança nesta terça-feira no Aeroporto Internacional de Salvador. O motivo é a ameaça de tumultos e danos ao patrimônio por parte dos passageiros da Varig, insatisfeitos com a demora no embarque para São Paulo, Rio e Brasília. O gerente de uma empresa especializada na venda de produtos para emagrecer, Luís Cajaty, 29 anos, era um dos inconformados que buscava manter a calma no início da manhã. Era seu quarto dia de tentativas para embarcar rumo ao Rio, onde fica o escritório central da empresa. Como não encontra vôos, Cajaty teve de se hospedar no apartamento de um primo até a situação se normalizar. "Não dá para encarar quase um dia de viagem nestas estradas esburacadas. O jeito é dar um tempo e pedir a compreensão do patrão", disse. Nem todos têm esta sorte. É comum encontrar no saguão do aeroporto, famílias inteiras dormindo em camas improvisadas a partir dos carrinhos de bagagem. Um piquenique diferente do comum, com a adição do clima de tensão, toma o ambiente, repleto de viajantes alimentando-se em pratos plásticos chamados "quentinhas".Aumento O acampamento em que se transformou o aeroporto tende a aumentar nesta terça, porque, segundo o supervisor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Ronaldo Santos, não há como prestar assistência às dezenas de pessoas que tiveram seus vôos adiados por conta da crise da Varig. Os passageiros reclamam que a companhia teria de pagar acomodação e alimentação, pois o limite de cinco horas de atraso no vôo foi excedido. O estresse aumenta quando eles percebem que outras empresas estão se aproveitando da crise para elevar subitamente o valor das passagens. Com uma empresa a menos operando, e sem poder sequer atender aos passageiros que já haviam adquirido seus bilhetes, o mercado aproveita-se para fazer funcionar a lei da oferta e da procura. "Menos aviões, preço maior",resume o economista e doutor pela Universidade de Brasília, Baltazar Moreira, em tom didático, um dos poucos a demonstrar conformismo pela demora que, nesta terça, já chega ao terceiro dia para ele e sua mulher, Selma. Dos 1,6 mil funcionários da Varig demitidos, 70 eram da Bahia. A direção do Sindicato Nacional dos Aeroviários exige o pagamento das indenizações por parte da Variglog, herdeira da antiga Varig.

Agencia Estado,

01 de agosto de 2006 | 12h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.