Infraero tem de cumprir todos os contratos, diz ministro

O ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, disse nesta terça-feira, 20, que a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), junto com as prestadoras de serviços, precisa cumprir todos os contratos. "Essa é uma determinação da presidenta Dilma e nó precisamos, no Brasil, cumprir contratos", disse o ministro em entrevista após ter participado da cerimônia de inauguração do terceiro terminal de passageiros no Aeroporto de Cumbica, Guarulhos, na Grande São Paulo.

FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, Agencia Estado

20 de maio de 2014 | 17h26

O recado de Franco à Infraero foi dado ao ser perguntado se os atrasos nas obras dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e Confins, em Belo Horizonte, a poucos dias o início da Copa, não o preocupavam. "Nós estamos preparados para atender à demanda da Copa. Não teremos na Copa o mesmo número de passageiros que tivemos no fim do ano, quando a infraestrutura aeroportuária estava mais acanhada", disse o ministro.

De acordo com Franco, as obras ainda não executadas nos aeroportos sob administração da Infraero serão concluídas. "Ninguém é obrigado a assinar contratos e tanto prestadoras de serviços como contratantes leem os contratos antes de assinar. É fundamental que sejam cumpridos", determinou o ministro.

Moreira Franco disse que são vários casos que têm frustrado o governo, mas o principal é o de Fortaleza. Sobre a possibilidade de rescindir contratos com as prestadoras de serviços no aeroporto cearense, Franco disse que a Infraero vai fazer avaliações jurídicas e tomar o melhor caminho. "Agora, é fundamental que os contratos sejam cumpridos e quem não cumprir será punido. Ainda de acordo com ele, as multas já estão estipuladas nos contratos. Temos que nos habituar a viver em um Pais sério e país sério cumpre contratos."

Tudo o que sabemos sobre:
Moreira Francoinfraero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.