Infraestrutura precária pode dar prejuízo de R$ 4 bi a exportadores

A falta de infraestrutura logística poderá representar prejuízo de R$ 4 bilhões para os produtores nacionais que exportam seus produtos, calcula a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec). Essa é a conta dos custos adicionais comparados a Estados Unidos e Argentina, principais concorrentes do Brasil no fornecimento de grãos para o mundo, afirma o diretor-geral da associação, Sérgio Mendes. "Estamos bobeando há muito tempo", afirma.

O Estado de S.Paulo

31 de março de 2013 | 02h10

Segundo ele, a capacidade da infraestrutura já estava no limite para as quantidades que o setor movimentava há 4 ou 5 anos. "Com uma safra recorde, era evidente ter sobressaltos." Para Mendes, o Brasil não pode mais se dar ao luxo de ignorar o potencial hidroviário, que permitiria ampliar a saída da safra pela região Norte, além de reduzir a dependência dos caminhões.

O executivo destaca que, para encher um navio graneleiro, são necessárias 2 mil carretas. O Porto de Santos, por exemplo, tem capacidade para oito navios simultaneamente. Se as vias de acesso não estiverem preparadas, o resultado continuará sendo os congestionamentos gigantes como os verificados nas últimas semanas.

O especialista em agronegócio e energia Marcos Jank, ex-presidente da União da Indústria de Cana de Açúcar (Unica), defende, além de mais armazéns, investimentos em novos portos. Ele também acredita que a situação de caos vai se repetir todos os anos se não houver mais oferta no sistema portuário. "Faltam novos berços de atracação."

Mas também há falta de capacidade das ferrovias. Em Santos, só metade da soja exportada chega pelos trilhos. No açúcar, a participação é de 35%, e na carga em contêiner, irrisório 1,95%. /R.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.