AFP
AFP

Infraestrutura será tema central da reunião de cúpula do G-20

Encontro criará instância específica para aproximar investidores e governos; avaliação é de que faltam projetos, não dinheiro

FERNANDO NAKAGAWA, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2014 | 02h01

BRISBANE - As 20 maiores economias do mundo (19 países mais a União Europeia) costuram um acordo para tentar acelerar a execução de projetos de infraestrutura. A reunião do G-20 que se realiza no fim de semana, em Brisbane, litoral da Austrália, anunciará a criação da nova instância chamada de Iniciativa Global de Infraestrutura (GII, na sigla em inglês) para fazer a ponte entre investidores, financiadores e governos. Parte dos participantes do G-20 diz que um problema crescente não é a falta de financiamento, e sim a ausência de novos e bons projetos.

No esforço para atingir a meta de acelerar o crescimento da economia global em 2 pontos porcentuais nos próximos cinco anos, o G-20 quer reforçar o papel da infraestrutura nas economias desenvolvidas e em desenvolvimento.

Nesse esforço, segundo apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, será anunciada a criação da nova instância que pretende melhorar a qualidade de projetos de infraestrutura em termos técnicos e financeiros.

O plano do G-20 é que o novo GII seja como uma central de informações sobre empreendimentos em todo o mundo. Grosso modo, a instância deseja ter papel no setor de infraestrutura comparável à de organismos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) na esfera macroeconômica.


Para isso, o GII vai defender a adoção "das melhores práticas" que favoreçam a disseminação de dados, comparação de projetos e tornem os empreendimentos mais atrativos aos investidores.

Sem opção. Nos debates que antecedem a reunião de cúpula do G-20, alguns participantes dizem que o principal problema do setor nos últimos anos deixou de ser a falta de financiamento.

Com a liquidez do mercado internacional em níveis recordes, muitos países enfrentam o problema de falta de projetos adequados.

Ou seja, até existem recursos disponíveis para financiar, mas o detentor desses recursos, às vezes, não investe o dinheiro por ter pouca informação ou simplesmente não confiar na qualidade dos projetos ou dos números.

Organismos multilaterais estimam que o mundo precise de mais de US$ 1 trilhão por ano em investimentos em infraestrutura. Em tempos de austeridade, governos não têm fôlego financeiro para atingir essa cifra. Por isso, o G-20 defenderá o forte incentivo às Parcerias Público-Privadas (PPP) como forma de alavancar o investimento por meio da participação privada nos projetos.

Brasil. A presidente Dilma Rousseff chegou às 21h36 de quarta-feira, horário local (ontem às 9h36, no horário de Brasília), ao Hotel Royal On the Park, localizado no centro da cidade australiana de Brisbane, para participar do encontro de cúpula do G-20.

Após a viagem entre Catar e Austrália, que contou ainda com uma parada em Cingapura, o avião presidencial pousou no aeroporto de Brisbane às 20h48, também hora local, (8h48 em Brasília).

Dilma estava acompanhada do ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, e do assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia. A filha da presidente Dilma, Paula Rousseff, também integra a comitiva.

Ao chegar ao hotel, Dilma foi cumprimentada por várias autoridades brasileiras, entre elas, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

Tudo o que sabemos sobre:
G-20reuniãoprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.