Tolga Akmen/AFP - 29/4/2019
Tolga Akmen/AFP - 29/4/2019

Artigo: Brasil não pode se atrasar para pegar o 'bonde' do 5G

Implementação do 5G será uma das decisões estratégicas mais importantes a serem adotadas e atraso no leilão trará prejuízos ao País

Cláudia Trevisan, especial para o Estado,

29 de janeiro de 2020 | 04h00

WASHINGTON - Principal aliada dos EUA, a Inglaterra impôs na terça, 28, uma derrota avassaladora aos esforços da gestão Donald Trump de impedir o uso de equipamentos da Huawei nas redes 5G em grande parte do mundo. O governo britânico anunciou que os produtos chineses estarão presentes nas áreas não sensíveis e terão um limite de 35% do mercado. A decisão pavimenta o caminho para a Alemanha e outros países europeus darem o sinal verde para a empresa que se transformou no principal símbolo da disputa tecnológica entre as duas maiores economias do mundo.

O 5G é muito mais que uma evolução no padrão de telefonia e sua implementação será uma das decisões estratégicas mais importantes a serem tomadas pelo Brasil. Sua adoção vai revolucionar a maneira como o mundo produz, ao permitir uma conexão sem precedentes entre máquinas e uma resposta imediata a comandos, o viabilizará aplicações como carro autônomo e cirurgias à distância. A transformação irá além das fábricas e do setor de serviços e será crucial para a agropecuária. 

Quem embarcar tarde nesse bonde perderá a chance de turbinar sua economia com ganhos de produtividade e atrair investimentos não só para a construção da infraestrutura do 5G, mas em setores que ganharão impulso com a nova tecnologia. Os britânicos decidiram autorizar a presença da Huawei para evitar atrasos na implementação da rede. Autoridades europeias avaliam que a dianteira na adoção do 4G deu aos EUA a liderança na criação das gigantescas plataformas de internet que estão entre as empresas mais valiosas do mundo, como Google, Amazon e Facebook. Agora, não querem ficar para trás no novo padrão.

Planejado originalmente para o primeiro semestre de 2020, o leilão do 5G no Brasil foi adiado pelo governo Jair Bolsonaro, que parece não ter pressa em sua realização. Sob pressão dos EUA para barrar a Huawei, Brasília parece ter decidido que o melhor caminho é esperar, na expectativa de que os americanos consigam desenvolver uma alternativa capaz de competir com a empresa chinesa. Segundo reportagem publicada pelo Wall Street Journal no dia 24 de janeiro, os EUA estudam dar apoio a empresas para desenvolvimento de uma concorrente da Huawei no prazo de 18 meses, o que cairia em meados de 2021. 

Não há nenhuma garantia de que o esforço, se realizado, será bem-sucedido. Além disso, o 5G já é uma realidade, e vários países do mundo se movimentam para implementá-lo. Na Coreia do Sul, por exemplo, 4 milhões de pessoas são assinantes da nova tecnologia. 

Para começar a conversa, é bom estabelecer algumas premissas: o Brasil não vai escolher entre um padrão chinês, sueco ou norueguês de 5G. O padrão é um só, global. Quem participará do leilão de 5G no Brasil são as operadoras de telefonia, como Vivo, TIM, Claro e Oi, e não Huawei, Ericsson ou Nokia. Essas são fabricantes de equipamentos, que serão contratadas pelos vencedores do leilão.

As três atuam no Brasil há anos e seus produtos estão presentes na maior parte da infraestrutura de 2G, 3G e 4G do país. A Ericsson tem a liderança, com 52%, seguida pela Huawei (35%) e Nokia. 

A demora na realização do leilão trará custos para o país, na forma de perda de investimentos, arrecadação e competitividade. Estudo da Ericsson avalia que só em receita tributária, o Brasil deixaria de arrecadar R$ 25 bilhões anuais, em um cenário de atraso de um ano na implementação do 5G. Para a empresa, o cronograma ideal seria a realização do leilão até o fim de 2020, para início das operações em 2021. Em entrevista ao UOL, no dia 12 de janeiro, o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou que o começo da implementação de “um piloto” do 5G poderia ocorrer apenas entre o fim de 2021 e início de 2022.

Tiago Machado, diretor de Relações Governamentais da Ericsson, diz que os R$ 25 bilhões não incluem o que deixaria de ser investido na criação da infraestrutura 5G, na produção e venda de smartphones e em fábricas e serviços que dependem da nova tecnologia. 

O executivo defende a necessidade de padrões rigorosos de segurança cibernética e de um elevado grau de confiança na rede móvel. Mas ele vê com apreensão a ideia de um divórcio ou um “decoupling” tecnológico entre Ocidente, liderado pelos EUA, e Oriente, representado pela China. “Nós temos tecnologias globais e o celular é a tecnologia mais global que existe. Uma separação não seria benéfica.”

* JORNALISTA E PESQUISADORA NÃO-RESIDENTE DO INSTITUTO DE  POLÍTICA EXTERNA DA ESCOLA DE  ESTUDOS INTERNACIONAIS AVANÇADOS DA UNIVERSIDADE JOHNS HOPKINS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.