bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Inovação depende de reforma nos programas

A revisão da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) e a reforma na Escola Politécnica da Universidade de SãoPaulo são resultado das novas diretrizes curriculares do curso de engenharia, vigentes desde 2002 (Resolução CNE/CE11), que procura flexibilizar a organização dos cursos, mas segundo avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI), ainda mantém um modelo curricular que concentra disciplinas básicas teóricas nos primeiros semestres. A confederação tem reivindicado mudança urgente nesse conceito, pois considera que ele favorece a desvinculação entre teoria e prática.

O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2013 | 02h09

"A introdução de conteúdos práticos e contextualizados desde o início do curso é essencial para a assimilação dos conteúdos teóricos dentro da perspectiva de sua aplicação prática criativa", argumenta texto publicado no documento "Inova - Propostas de Modernização da Educação em Engenharia no Brasil".

O Conselho Federal de Engenharia e Agricultura (Confea) vem tentando, desde 2005, colocar em execução a Resolução 1010, que derruba completamente a grade curricular e propõe uma política pedagógica flexível, capaz de se adaptar rapidamente às mudanças das exigências de mercado em virtude dos avanços tecnológicos, mas vem enfrentando forte resistência da comunidade acadêmica./L.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.