Inovações abrem espaço no segmento

Para além das soluções tradicionais em produtos e serviços, as inovações tecnológicas também começam a galgar espaço entre os novos negócios dedicados ao segmento da saúde.

O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2013 | 02h11

Jogos para computador, ferramentas virtuais de gestão e sites que colocam pacientes em contato com médicos especialistas são alguns dos exemplos de como esse mercado tem sido explorado pelos empreendedores.

Em São Paulo, dois jovens que acabaram de sair da universidade uniram-se a um médico, também recém-formado, para juntos lançarem - no meio do ano passado - um portal de agendamento de consultas e avaliação de profissionais de saúde, o AvalDoc (avaldoc.com.br).

O trio cobra mensalidade de R$ 149 dos médicos e também oferece a ele um sistema de prontuário eletrônico virtual, que se agrega a agenda do profissional de saúde.

O empreendimento já passou por quatro rodadas de investimento. A última, com aporte acima de R$ 1 milhão, foi promovida pelo grupo de empresários encabeçado por Silvio Fonseca - foi ele o responsável por vender o plano de saúde Lincx para a Amil em 2011. "A gente quer faturar R$ 3 milhões até o final deste ano", analisa Fernando Pares, um dos fundadores da empresa de tecnologia.

Em Florianópolis, Daniel San Martin e Kleber Magno criaram um game para fisioterapia e terapia ocupacional. O jogo, para microcomputadores, emprega a tecnologia de captura de movimentos do Kinect, da Microsoft, e é comercializado para clínicas de reabilitação de pacientes. "O programa torna mais dinâmica a rotina de exercícios para equilíbrio, postura e alongamento", conta Magno. A Fisiogames faturou R$ 200 mil com o produto no ano passado.

Em Pernambuco, o economista Gustavo Araújo e seus dois sócios, o programador Eric Milfont e o médico do trabalho Eduardo Pires, estão para iniciar a operação da Atestado.Med.Br, uma plataforma web e mobile para emissão e validação de atestados médicos.

A ideia é oferecer uma solução para empresas e hospitais que sofrem com atestados médicos falsos. Por meio da tecnologia que desenvolveram, todo o processo de emissão do documento é virtual. "Nosso modelo de negócio é vender o produto para as empresas e também para os hospitais", conta Araújo, que prevê o lançamento da empresa na segunda quinzena de março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.