Insegurança e baixa educação seguram Brasil em ranking de prosperidade

Para instituto de desenvolvimento sustentável, crescimento econômico 'não basta' para gerar felicidade em países emergentes.

BBC Brasil, BBC

26 de outubro de 2010 | 09h26

Para relatório, Brasil é tolerante mas tem problemas de segurança

A falta de segurança, a qualidade da educação e a percepção de debilidade institucional impediram que o Brasil melhorasse em um ranking internacional de prosperidade elaborado pelo Instituto Legatum, que promove o desenvolvimento sustentável.

Pela segunda vez consecutiva, o país ficou na posição número 45 entre 110 países e territórios analisados (108 nações mais os territórios de Taiwan e Hong Kong), a mesma colocação do ano passado.

O índice de prosperidade procura medir não apenas o crescimento econômico de um país no sentido material, mas aquele crescimento que se traduz em bem-estar para a população e, no longo prazo, traz a felicidade para os cidadãos.

Para tanto, o cálculo condensa informações em oito subíndices: economia, empreendedorismo, governança, saúde, educação, segurança, liberdade e capital social.

O Brasil aparece como país "mediano" na maioria deles, à exceção do índice de liberdade, onde está no terço superior do grupo de 110 países.

Mas nas áreas de segurança o país fica na posição 76, em educação, 75, e governança, 60.

Apenas dois em cada cinco brasileiros se sentem seguros ao caminhar para casa, colocando o país no número 96 entre os 110 países pesquisados, e mesmo na questão da violência política a colocação brasileira é a 90ª.

Na questão do ensino, o relatório aponta uma "insatisfação com um sistema educacional percebido como baixo em qualidade e escasso em oferta".

Além disso, a percepção de governança no país permanece "medíocre" e a confiança nas instituições democráticas, "baixa", nas palavras do relatório. Os níveis de confiança da sociedade em seus próprios cidadãos é uma das mais baixas entre os países analisados.

Material x subjetivo

Noruega, Dinamarca, Finlândia, Austrália e Nova Zelândia lideram o ranking, no qual Zimbábue, Paquistão, República Centro-Africana, Etiópia e Nigéria aparecem em últimos.

Para o instituto, a questão da prosperidade não é simplesmente material, assim como a felicidade não é apenas subjetiva. "Escolha e oportunidades são mais importantes para a felicidade que ganhar dinheiro rapidamente", exemplifica o relatório.

Um bom exemplo é a parte do documento que analisa os países do chamado grupo Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), que têm se destacado como vetores do crescimento econômico internacional.

Para o relatório, "crescimento econômico não é suficiente" para os Bric.

"A China tem se avançado muito nos quesitos de economia, empreendedorismo e oportunidade, governança e capital social. No entanto, a sua melhora tem sido abafada pela perda nas áreas de educação, liberdade pessoal, saúde e segurança", avalia o documento.

"A Índia regrediu mais de dez posições desde 2009, principalmente devido à sua queda no subíndice de liberdade pessoal. Após os ataques de Mumbai em 2008, a percepção de tolerância dos indianos em relação aos imigrantes tem caído substancialmente, contribuindo para uma queda nos níveis de liberdade pessoal."

Já Rússia e Brasil pouco mudaram do ano passado para cá, as razões da Rússia sendo a conturbada situação das liberdades pessoais e a liberdade de expressão no país.

Na linha com o senso comum, o estudo afirma que "não é fácil ser próspero em países grandes".

"Os dez países do mundo com mais de 125 milhões de pessoas têm de lidar com desafios à prosperidade sustentável que são menos significativos em países menores", diz o relatório.

"Apenas um país neste grupo, os Estados Unidos, estão incluídos entre os dez países com maior índice de prosperidade." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.