INSS: operação de crédito consignado cai pela metade

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) informou hoje que, em setembro, foram fechadas 77,3 mil novas operações de crédito consignado (com desconto em folha), apenas a metade do número de agosto (154,7 mil). Em volume financeiro, foram R$ 172 milhões no mês passado, contra R$ 253 milhões no mês anterior. Os números se referem às operações tanto na modalidade tradicional quanto por meio de cartão de crédito pelos aposentados e pensionistas nos bancos. O presidente do INSS, Marco Antonio de Oliveira, afirmou, entretanto, que ainda é cedo para atribuir a queda aos efeitos da crise internacional no Brasil. "Somente no próximo balanço, relativo ao mês de outubro, isso poderá ficar mais claro", afirmou Oliveira.No entanto, ele admite ser "provável" que a crise, ao afetar o comportamento do crédito em geral no País, impacte também as operações com os segurados do INSS, embora seja pequeno o risco de inadimplência. De acordo com as estatísticas, de maio de 2004 - quando foi criada a modalidade de crédito - até setembro passado, somam 14,91 milhões as operações ativas, ou R$ 23,51 bilhões em empréstimos. Desde 2004, pouco mais de 9,3 milhões de aposentados e pensionistas fizeram uso do crédito consignado.O crédito consignado do INSS tem juros tabelados em no máximo 2,5% ao mês na modalidade de empréstimo tradicional e 3,5% ao mês no formato cartão de crédito consignado. Por causa do teto de juros, essa modalidade de crédito é avaliada uma das mais baratas do mercado. Para o INSS, os aposentados e pensionistas que tomam o crédito têm demonstrado cautela ao contratar os empréstimos, pois, em setembro, quase 37% dos tomadores acertaram a liquidação do crédito em no máximo seis parcelas. Uma pequena parcela de 5,4% dos tomadores fechou contratos com prazos superiores a 48 parcelas. A média dos empréstimos, segundo o levantamento do INSS, é de R$ 1.577, e os beneficiários que recebem até um salário mínimo são responsáveis por 60,6% das operações e por 44,49% do dinheiro utilizado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.