INSS suspende pagamento de 360 mil aposentados não recadastrados

O censo previdenciário, mecanismo encontrado pela Previdência Social para atualizar os dados cadastrais dos seus segurados, já resultou na suspensão do pagamento de 360 mil benefícios de segurados que não compareceram às agências bancárias. De acordo com informações divulgadas nesta sexta-feira, 25, pelo Ministério da Previdência, desde outubro do ano passado mais de 10,4 milhões de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já foram aos bancos para preencher os formulários de recadastramento. Desse total, 343 mil não apareceram nas agências bancárias. Outros 17 mil benefícios estão sob análise. São de segurados que preencheram os formulários com erros e, por isso, eles foram devolvidos pelo INSS aos bancos. O novo balanço do censo previdenciário foi divulgado hoje pela Previdência Social.A Previdência Social não fala em números, mas se for considerado o valor médio do benefício, hoje de R$ 521,83, a economia mensal do INSS com a suspensão do pagamento é em torno de R$ 187 milhões.Etapas do censo O censo previdenciário, que começou em outubro de 2005, foi dividido em duas etapas. Na primeira etapa foram convocados 2,4 milhões de segurados, justamente os com cadastro mais antigo e frágil, com ausência de vários dados considerados importantes pelo INSS, como o número do PIS ou o nome da mãe. Dos 2,4 milhões de segurados chamados para a primeira etapa do Censo, 2,3 milhões atualizaram os dados, 65 mil tiveram o pagamento suspenso porque não compareceram e 17 mil estão pendentes "por crítica". Estes beneficiários foram aos bancos mas preencheram o formulário com erros, como nomes abreviados, número de CPF inválido ou endereço inexistente. Eles estão sendo chamados pelos bancos para refazerem o cadastro.A segunda etapa começou em março deste ano e estão sendo convocados 14,7 milhões de segurados. Mais de 8 milhões de beneficiários já compareceram às agências bancárias. Muitos deles se anteciparam à data marcada e preencheram o formulário. Segundo o ministro da Previdência Social, Nelson Machado, a antecipação é um sinal claro da confiança dos beneficiários na necessidade de atualizar o banco de dados do INSS para melhorar a comunicação do órgão com o segurado e evitar pagamentos indevidos. Com quase cinco meses de recadastramento na segunda etapa, 278 mil benefícios já foram suspensos. O censo, segundo os técnicos da Previdência, aumentou a velocidade da suspensão do pagamento. Antes do censo, a suspensão do pagamento e posterior cancelamento só era feita por motivo de óbito do segurado. Mesmo essa informação, obrigatória por parte dos cartórios ao INSS, era mais demorada por falhas no cadastro. Ao final do censo, que só terminará no ano que vem, terão passado pelo recadastramento 17,1 milhões de segurados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.