Instabilidade diminui com queda do dólar

Os investidores mantêm a cautela mas, em parte, o pessimismo dos últimos dias foi deixado de lado, principalmente no mercado de câmbio. As declarações do diretor do Banco Central, Luiz Fernando Figueiredo, e do secretário-adjunto do Tesouro, Rubens Sardenberg, acabaram com o movimento de especulação verificado nos últimos dias e que vinha provocando uma alta do dólar (veja mais informações no link abaixo). O consultor Nathan Blanche, da consultoria Tendências, aprovou as declarações dos diretores do Tesouro e do Banco Central. No entanto, ele não vê espaço para uma forte e prolongada baixa da moeda americana. Para ele, as compras do Tesouro amenizaram apenas um dos fatores de alta do dólar, pois outros aspectos também vinham gerando pressão cambial, como os resultados negativos da balança comercial. Há pouco, o dólar comercial estava cotado a R$ 1,9930 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,60% em relação aos últimos negócios de ontem. Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) estava em alta de 1,69%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 15,810% ao ano, frente a 15,960% ao ano registrados ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.