Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Insumos importados avançam na indústria

Participação de importados passou de 39% para 54% desde 2005, diz CNI

Isabel Sobral, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Uma sondagem especial feita em abril pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou que 54% das empresas consultadas usam matérias-primas ou insumos importados. Em 2005, última sondagem desse tipo feita pela CNI, esse porcentual era de 39%. Para a CNI, a valorização do real ocorrida nesse período estimulou a substituição de insumos domésticos por importados.Os dados da pesquisa preocupam a entidade que defendeu ontem ações mais enérgicas do Banco Central (BC) para segurar a cotação da moeda americana, como reduzir mais fortemente as taxas de juros e acelerar a compra de dólares para as reservas internacionais."A apreciação recente da taxa de câmbio é motivo de preocupação forte", disse o gerente da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.A sondagem abrangeu 1.307 indústrias. No mês de abril, quando o levantamento foi feito, a cotação da moeda americana no Brasil ainda estava por volta de R$ 2,20. Atualmente, o dólar ensaia romper a barreira dos R$ 2,00."Acho que devemos ficar atentos para não deixar cair ainda mais a taxa de câmbio e há medidas de natureza monetária e de compra de divisas que podem ser utilizadas mais intensamente pelo Banco Central", comentou o economista, acrescentando que a taxa de juros no Brasil está muito elevada em relação às de outros países. A pesquisa da CNI mostrou ainda que, entre as empresas que se declararam exportadoras, 66% disseram ter sido afetadas pela crise mundial e tiveram de mudar suas estratégias exportadoras. Isso ocorreu com mais intensidade nos setores automotivo, de madeira e de máquinas.Quase metade espera queda de participação das exportações em seu faturamento neste ano. Embora a retração do nível de atividade econômica esteja provocando uma queda geral das importações brasileiras, a maioria dos empresários consultados disse temer uma entrada forte de produtos importados, o que deve elevar a concorrência. "A percepção dos empresários está relacionada, por um lado, ao excesso mundial de oferta de produtos e, por outro, à avaliação de concorrência no seu próprio setor, o que varia enormemente", afirmou Castelo Branco.O setor siderúrgico, por exemplo, intensificou nos últimos dias a pressão para que o governo eleve o imposto de importação de aço. Na avaliação da CNI, o resultado da pesquisa indica dificuldades para retomada consistente da economia do País. "Com certeza, se houver menos contribuição das exportações, que são uma alavanca importante do crescimento, e ainda tivermos maior competição dos produtos importados, haverá dificuldades para a retomada da atividade", resumiu Castelo Branco. FRASESFlávio Castelo BrancoEconomista da CNI"Acho que devemos ficar atentos para não deixar cair ainda mais a taxa de câmbio e há medidas de natureza monetária e de compra de divisas que podem ser utilizadas mais intensamente pelo Banco Central.""A percepção dos empresários está relacionada, por um lado, ao excesso mundial de oferta de produtos e, por outro, à avaliação de concorrência no seu próprio setor, o que varia enormemente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.