carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Integração na AL facilita comércio com Ásia, diz Amorim

Segundo ministro das Relações Exteriores, países vizinhos ajudarão estratégia brasileira de expandir comércio

ALBERTO KOMATSU, Agencia Estado

03 de setembro de 2007 | 15h27

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse nesta segunda-feira, 3, que os esforços do Brasil para aumentar a corrente de comércio com a Ásia contarão com a ajuda de países da América Latina. Segundo ele, a ofensiva já começou, com reuniões de países latino-americanos e alguns encontros bilaterais com autoridades chilenas e peruanas. "Os próprios esforços de integração da América do Sul vão potencializar os nossos esforços no Pacífico", afirmou Amorim, que participou da abertura da Reunião Ministerial sobre Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável: Desafios para a Governança Internacional, realizada no Palácio Itamaraty, no centro do Rio.  Amorim afirmou que só deverá visitar algum país asiático no começo do ano que vem. Ele relata que o Brasil não deve olhar somente os maiores países, como China, mas também focar o comércio com outros países da região, especialmente os tigres asiáticos. "O Vietnã é um país tem 80 milhões de habitantes. A Malásia é um país de dezenas de milhões e com uma renda per capita bastante alta. Há muito o que se fazer nessa área", disse. Amorim não soube estimar qual seria o crescimento do comércio com os países asiáticos, mas lembrou que apenas com a Índia, com quem o País tem uma corrente de comércio de US$ 3 bilhões, o potencial seria de US$ 10 bilhões até 2010.  Doha O ministro afirmou ainda que acredita no sucesso da Rodada de Doha, negociações no âmbito da Organização Mundial de Comércio que buscam a maior abertura do comércio mundial. Segundo ele, é preciso que haja avanços já a partir deste mês para que as conversas possam ser concluídas até novembro. "Devemos fazer todos os esforços, como se fosse um prazo fatal, e tentar finalizar o acordo. Mas se for necessário um trabalhinho a mais, acho que isso não impedirá (a negociação). Estou convencido de que rodada vai se concluir de maneira 'exitosa'", afirmou Amorim.

Tudo o que sabemos sobre:
Celso AmorimComércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.