Intelig diminui preço da tarifa

Na briga por clientes no horário comercial, a Intelig lançou ontem um pacote básico pelo qual o usuário da operadora vai pagar uma tarifa única de R$ 0,27 por minuto em ligações interurbanas entre telefones fixos, sem distinção de horário, para qualquer lugar do País. Antes, o consumidor pagava R$ 0,32 por minuto ao ligar para outro Estado no horário comercial e R$ 0,18 fora do horário de pico. Com a nova tarifa o preço de uma ligação do Rio para São Paulo no horário comercial pela concorrente nacional, a Embratel, sai 45% mais caro, afirma o presidente da Intelig, Fernando Terni. Ao unificar o preço durante todo o dia, a Intelig favorece aqueles que utilizam o serviço no horário comercial, que concentra 85% do tráfego da operadora. No entanto, quem costuma ligar fora do período comercial, sai prejudicado. Ele explicou, porém, que o usuário pode optar por pagar os antigos valores diferenciados, bastando, para isso, solicitar a mudança por meio do telefone 0800-8882323.O novo preço da ligação de um aparelho fixo para um móvel é de R$ 0,55 por minuto, para qualquer localidade, em todos os horários e dias da semana. Segundo o presidente da Intelig, é até 23% mais barato que o da concorrente. "Mudamos radicalmente nossos preços para trazer simplicidade e descomplicar", disse Terni.PromoçãoA Intelig, que está em operação desde 23 de janeiro, também anunciou uma promoção de 90 dias - até 3 de março de 2001 - para ligações internacionais. Será cobrada apenas uma tarifa, em todos os horários e dias da semana. O minuto de ligação para os EUA e Canadá é de R$ 0,70, desde ontem.O presidente da Intelig afirmou que a empresa terá investimentos de R$ 800 milhões em 2001. Ele alega que a operadora tem 12 milhões de clientes e estima em 5% a participação da Intelig no total de ligações feitas no País. O pagamento de contas da empresa já pode ser feito, no Rio, junto com a operadora local, a Telemar.

Agencia Estado,

05 de dezembro de 2000 | 15h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.